MENU

Para Amorim, política dos EUA distorce comércio

Para Amorim, política dos EUA distorce comércio

Atualizado: Terça-feira, 23 Novembro de 2010 as 11:22

O chanceler Celso Amorim atacou ontem a política monetária do governo de Barack Obama. Ele alertou que a injeção de US$ 600 bilhões pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) na economia ameaça criar "distorções ao comércio que tornam as negociações multilaterais irrelevantes". Ele disse ainda que o maior superávit que os Estados Unidos tem hoje no mundo é exatamente com o Brasil.

As críticas de Amorim se somam às já feitas pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, diante da decisão do Fed de colocar liquidez em sua economia para a salvar seus bancos e estimular os empréstimos. O problema é que esses recursos também têm sido canalizados para os mercados emergentes, em forma de capital especulativo. O resultado da entrada de forte volume de capital na economia brasileira, por exemplo, é a valorização do real, que leva à perda de competitividade.

"O mundo finalmente descobriu que as moedas importam para o comércio", disse Amorim, em seminário em Genebra, ao lado do diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Pascal Lamy. A conta de Amorim é simples. Se por anos se negocia uma concessão de redução de uma barreira em 5%, em apenas alguns dias a valorização de uma moeda pode ser bem superior ao impacto do corte tarifário que se debatia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

veja também