MENU

Para economistas, esforço contra queda do dólar não será suficiente

Para economistas, esforço contra queda do dólar não será suficiente

Atualizado: Quinta-feira, 7 Abril de 2011 as 9:50

A extensão da cobrança de imposto de 6% para empréstimos de um a dois anos no exterior, anunciada ontem pelo Ministério da Fazenda, deverá ter pouco efeito sobre a cotação do dólar.

Para economistas ouvidos pela Folha, a tendência de fortalecimento do real continua, apesar dos esforços.

"Essa medida deverá afetar mais o canal de crédito e auxiliar a política monetária [no controle da inflação] do que interferir na taxa de câmbio", diz o economista Flávio Samara, da LCA Consultores.

Com o aumento do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), ele lembra, fica mais caro captar recursos lá fora, o que pode desincentivar operações de busca de recursos mais baratos no exterior para emprestar aqui no Brasil. No jargão do mercado isso se chama arbitragem.

Mesmo assim, avalia, a diferença entre as taxas de juros no exterior e no Brasil continua atrativa. "O mercado passará por cima de mais esse aumento do IOF", disse.

LIQUIDEZ

O economista José Alfredo Lamy, da Cenário Investimentos, afirma que as empresas brasileiras vêm fazendo emissões com prazos mais longos do que dois anos lá fora. Por isso acredita que a medida será pouco efetiva.

"Existe muita liquidez [oferta de crédito] no mercado externo para as empresas brasileiras, inclusive com prazos mais longos", disse.

Segundo o economista, o fluxo de recursos para o Brasil seguirá forte e está mais relacionado aos juros altos.

O ex-presidente do Banco Central Carlos Langoni observa que a maior parte dos dólares que entram no Brasil são investimentos em ações ou de longo prazo, seja em produção ou títulos públicos.

O também diretor do centro de economia mundial da Fundação Getulio Vargas criticou o que considera excesso de ações usando o IOF.

"Não gosto de medidas a conta-gotas porque aumentam a incerteza no mercado e têm efeito concreto muito modesto", afirma Langoni.

A valorização do real também é dada como certa para o economista do banco Santander, Cristiano Souza.

"Apesar de todas as medidas, o real continua se apreciando. A valorização tem mais a ver com os preços das matérias-primas do que com o cenário interno", disse.

Segundo ele, três quartos da valorização do real se devem ao aumento dos preços das commodities --vendidas pelo Brasil no exterior.

veja também