MENU

Petrobras poderá explorar bacia na Nova Zelândia

Petrobras poderá explorar bacia na Nova Zelândia

Atualizado: Terça-feira, 1 Junho de 2010 as 1:44

A   Petrobras   International Braspetro, subsidiária da Petrobras, recebeu do governo da Nova Zelândia uma licença para exploração offshore na Bacia Raukumara, localizada em East Coast. A licença de exploração de cinco anos é a primeira concedida na região. Nunca nenhuma atividade comercial foi realizada em Raukumara, onde acredita-se ter potencial para a exploração de gás e petróleo. "Tendo em vista a expertise e o histórico financeiro e tecnológico da Petrobras, este é um passo emocionante em áreas da Nova Zelândia até agora inexploradas", disse o ministro da   Energia   e Recursos Naturais do país, Gerry Brownlee.

A permissão cobre uma área de 12.333 quilômetros quadrados que abrange todo o bloco 2 e uma parte do bloco 1. A Petrobras International Braspetro comprometeu-se a recolher três mil quilômetros de dados sísmicos bidimensionais no prazo de 18 meses e 800 quilômetros quadrados de dados sísmicos tridimensionais no prazo de 36 meses. A companhia tem a opção de desistir da licença após as duas etapas de coleta dos dados sísmicos. A Petrobras também se comprometeu a perfurar um poço no prazo de 60 meses.

Os custos estimados para a coleta dos dados sísmicos e da perfuração do poço são de US$ 12 milhões e de US$ 106 milhões, respectivamente. A oferta dos blocos em Raukumara foi anunciada no dia 10 de dezembro de 2008 e encerrada no dia 28 de janeiro de 2010. O ministro não revelou o número de ofertas que foram recebidas ou os nomes das outras companhias que apresentaram propostas para explorar a bacia.

O governo da Nova Zelândia tem concentrado seus esforços nos últimos tempos para despertar o interesse para o setor de petróleo e gás do país. Segundo Brownlee, o governo se comprometeu a conceder acesso ao potencial das bacias nas fronteiras do país. "Para fazer isso, nós precisamos atrair investimentos das companhias de petróleo que têm capacidade e habilidade para explorar e reunir informações sobre nossas bacias offshore", acrescentou o ministro. As informações são da Dow Jones.

veja também