MENU

Preço ao consumidor sobe 4,9% na China e supera previsões

Preço ao consumidor sobe 4,9% na China e supera previsões

Atualizado: Sexta-feira, 11 Março de 2011 as 8:44

O IPC (índice de preços ao consumidor), principal indicador da inflação, subiu na China 4,9% em fevereiro em relação ao mesmo mês do ano passado, informou hoje o departamento nacional de estatísticas (BNE) do gigante asiático.

China registra o maior deficit comercial desde 2004, de US$ 7,3 bi

Em janeiro, o IPC também subiu 4,9%, o que significou um ligeiro aumento em comparação aos 4,6% de dezembro, apesar das medidas iniciadas pelo governo chinês para frear a alta dos preços.

Mesmo assim, tanto janeiro como fevereiro se mantiveram abaixo do aumento de 5,1% de novembro, o número mais alto em 30 meses.

O BNE também publicou nesta sexta-feira o Índice de Preços de Produção, indicador da inflação nas vendas por atacado, que subiu 7,2% no mês passado com relação a fevereiro de 2010, e desta forma superou o avanço de janeiro, que foi de 6,6%.

Na quinta-feira, o Banco Popular da China anunciou que prevê alta de 5% da inflação para 2011, devido ao aumento dos preços internacionais das matérias-primas.

Já o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, assinalou há alguns dias que espera inflação de 4% este ano.

O aumento dos preços é uma das principais preocupações do governo chinês, que considera seu controle necessário para evitar um descontentamento social que poderia gerar revoltas no gigante asiático.

A inflação chinesa ultrapassou expectativas em fevereiro e pode subir mais nos próximos meses, aumentando a pressão por outra dose de aperto monetário.

Mas os dados publicados nesta sexta-feira também ofereceram sinais de que o governo está progredindo no controle da alta dos preços sem prejudicar o crescimento da segunda maior economia do mundo.

A produção industrial da China teve expansão anual de 14,1% nos primeiros dois meses de 2011. O mercado esperava uma alta de 13,3%. Em dezembro, o ritmo de crescimento foi de 13,5%.

O investimento no país também foi robusto, avançando 24,9% em termos anuais nos primeiros dois meses, superando previsões de 23,3%.

As vendas no varejo chinês cresceram 15,8% em janeiro, ante previsão de alta de 19,1%.

veja também