MENU

Produção de petróleo e gás apresenta nova queda no RN

Produção de petróleo e gás apresenta nova queda no RN

Atualizado: Quinta-feira, 25 Fevereiro de 2010 as 12

O Rio Grande do Norte seguiu na contramão do país e começou 2010 com queda na produção de petróleo e gás, segundo dados da Petrobras relativos a janeiro, divulgados ontem. Para o petróleo, o volume de barris produzido por dia sofreu redução de 6,34%. Para o gás, a queda foi de 23,34% para os metros cúbicos  diariamente produzidos. A produção somada de petróleo e gás, em barris equivalentes/dia, recuou 8,9%, enquanto no Brasil cresceu 2,9%, na comparação com o primeiro mês de 2009.

"A maioria dos campos terrestres do estado já está em produção há 30 anos e é considerada madura para a indústria do petróleo. Portanto a diminuição da produção está compatível com o grau de maturidade dos campos. Não houve influência de outros fatores neste primeiro mês do ano", garantiu a Petrobras, em nota.

No caso do petróleo, a produção de janeiro atingiu 62.091 barris/dia. Apesar de ter havido redução, o estado voltou a ser o maior produtor em terra. A posição vinha sendo revezada com o Amazonas. Para o gás, o volume de metros cúbicos, chegou a 1.448/dia no período analisado.

Reação

A Petrobras vem adotando uma série de medidas para retomar os níveis de produção. No caso do petróleo, a meta é elevar a produção da unidade que engloba o Rio Grande do Norte e o Ceará de 75 mil barris para 115 mil barris/dia até 2014. Este ano, algo em torno de R$ 1,5 bilhão serão investidos pela empresa em projetos de revitalização. São cerca de R$ 400 milhões em exploração e R$ 1,1 bilhão para o desenvolvimento da produção.

A cifra inclui a perfuração de novos poços e o aumento da pressão nos reservatórios, como está sendo feito com o vaporduto, que teve a primeira etapa inaugurada no mês passado no Vale do Açu. Só para esse projeto estão sendo desembolsados cerca de US$ 200 milhões. A ideia do sistema é usar o vapor produzido pela Usina Termoelétrica Jesus Soares Pereira (Termoaçu), distribuído por meio de uma rede de dutos, para diminuir a viscosidade do óleo nos reservatórios dos campos de Estreito e Alto do Rodrigues, deixar esse óleo mais fino e com mais mobilidade para se deslocar para os poços produtores, de onde será extraído. O estímulo deverá responder por 18 mil barris de petróleo no pico da produção, na região chamada Ativo Alto do Rodrigues, que produz cerca de 19,5 mil barris diariamente. 

Royalties

 As quedas contínuas registradas na produção tem afetado os repasses de royalties, mas, apesar disso, tem havido crescimento desde janeiro este ano. Em fevereiro, cujos números também foram divulgados ontem, total geral recebido foi 39,64% maior que o de fevereiro de 2009. Observando, exclusivamente os municípios produtores de petróleo, o aumento foi de 63,24%. "O resultado positivo foi devido à recuperação do preço de referência (definido pelo ANP), que no auge da crise econômica do ano passado, gerou uma queda acentuada no preço de barril brent (FOB) e foi recuperando ao longo do ano. "Por outro lado, a receita dos royalties só não foi maior porque houve redução da produção de óleo e gás natural no período analisado", analisou o economista e integrante do projeto de pesquisas em rendas e petrolíferas (UnP/Escola de Gestão/Ciências Contábeis), Mário Jesiel de Oliveira. Segundo análise do grupo, a receita dos royalties de petróleo beneficiou os cofres públicos do governo do estado e de 93 municípios em fevereiro de 2010, no montante de R$ 26 milhões. Desse total, coube ao governo do estado o valor de R$ 13,27 milhões e aos 93 municípios  a cifra de R$ 12,28 milhões.

veja também