MENU

RJ cria fundo para se tornar a primeira cidade digital

RJ cria fundo para se tornar a primeira cidade digital

Atualizado: Terça-feira, 29 Junho de 2010 as 4:09

O Rio de Janeiro pode ser a primeira cidade digital inteligente do Brasil. A previsão é do novo secretário de Ciência e Tecnologia do município, Franklin Dias Coelho, que tomou posse hoje (29), tendo como uma das metas preparar estrategicamente a capital fluminense para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Segundo Dias Coelho, uma das iniciativas para impulsionar esse projeto é a criação do Fundo Municipal de Amparo às Pesquisas. A proposta de criação desse fundo, que será gerido por uma fundação municipal, deve ser encaminhada para a Câmara de Vereadores ainda esta semana. O objetivo é incentivar estudos de inovações tecnológicas que garantam qualidade de vida à população fluminense. "A perspectiva é estimular linhas de pesquisa que integrem transformações urbanísticas da cidade com a inovação de projetos de ciência e tecnologia. Exemplos são as cidades inteligentes da Europa, onde você trabalha com sensores que podem controlar multidões e deslocamentos através de celulares e de softwares por satélites. Você controla deslocamento, por exemplo, de torcidas de futebol. Você tem também as cidades verdes com conjunto de sensores que monitoram o meio ambiente e áreas como a de saneamento básico", afirmou o secretário.

Outro desafio do novo secretário é a inclusão digital da população. Segundo Dias Coelho, o déficit digital da cidade do Rio de Janeiro é de praticamente 90%. A perspectiva é de que nos próximos 3 meses comece a ser instalada uma rede de banda larga que vai atender toda a capital.

"O projeto Rio Digital é a possibilidade de construção de uma estrutura de banda larga de transmissão de voz, dados e imagem com padrão de qualidade europeu [banda larga com mais de 2 megabites de velocidade] que atenda a população não só das zonas mais protegidas da cidade, mas também das áreas mais carentes", disse Dias Coelho.

Para o prefeito Eduardo Paes (PMDB), além de solucionar a grande defasagem digital que a capital enfrenta, a aposta é que as medidas estimulem investimentos estrangeiros na cidade. O grupo empresarial GE, por exemplo, já anunciou que vai construir mais um centro de pesquisa mundial no Brasil, mas ainda não definiu o local.

"É uma disputa que estamos travando há 6 meses. A gente tem muita convicção de que a chance do Rio é grande", disse Paes. A empresa deve decidir nos próximos 30 dias se essa unidade será instalada em São Paulo ou no Rio de Janeiro. O novo centro de pesquisa da multinacional será o quarto construído no mundo.

veja também