Sindicatos na Argentina desafiam Kirchner com greve geral

Sindicatos na Argentina desafiam Kirchner com greve geral

Fonte: Globo.comAtualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:02
Bandeira da Argentina
Bandeira da Argentina

Bandeira da ArgentinaUma greve geral convocada pelos sindicatos contrários à presidente Cristina Kirchner teve início no primeiro minuto desta quinta-feira (10) para exigir melhores salários e protestar contra a inflação e a insegurança que atingem a Argentina.


Três das cinco centrais sindicais da Argentina convocaram a greve para rejeitar a tentativa de Kirchner de limitar os reajustes salariais discutidos nos acordos coletivos, e para exigir mais segurança diante da onda de criminalidade que atinge as grandes cidades do país.


"Os trabalhadores dizem ao governo: chega! Greve geral!", destacou o caminhoneiro Hugo Moyano, principal líder do protesto e titular da ala não-governista da CGT.
A chave do sucesso da greve de 24 horas será a adesão dos maquinistas de trens e metrô, motoristas de ônibus e caminhoneiros, técnicos aeronáuticos e navegadores fluviais, que poderão paralisar o país.


"Todos tem o direito à greve e está bem", disse Kirchner, cujo governo enfrenta uma inflação de 30% ao ano e uma onda de criminalidade que se tornou a principal preocupação dos argentinos.

O governo tenta impedir os reajustes salariais discutidos entre patrões e empregados, apesar de a grande maioria dos sindicatos já ter acertado aumentos em torno dos 30%, o que vai puxar ainda mais a inflação.


A Argentina tem 10 milhões de trabalhadores registrados, e ao menos 40% são filiados a algum sindicato. O número de assalariados sem registro é estimado em quatro milhões.
"É uma greve política, este não é o momento de parar", disse Antonio Caló, líder de 150 mil metalúrgicos reunidos na ala governista da CGT.
Moyano foi candidato à presidência em 2011 com seu pequeno partido Cultura, Educação e Trabalho, e agora busca construir o braço sindical da Frente Renovadora, do deputado peronista dissidente e presidenciável Sergio Massa.


A esquerda 'trotskista' organizará piquetes em avenidas e estradas para apoiar a greve, mas as demais organizações não promoverão protestos nas ruas.
"Nunca sou a favor de greve, mas não é possível viver com este nível de inflação", disse Mauricio Macri, prefeito de Buenos Aires e um dos presidenciáveis para 2015 pelo partido opositor Proposta Republicana (PRO, direita).


A última greve geral convocada pelos sindicatos opositores na Argentina ocorreu em novembro de 2012, e paralisou parcialmente o país.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições