MENU

Supermercados paulistas mantêm previsão de crescimento

Supermercados paulistas mantêm previsão de crescimento

Atualizado: Segunda-feira, 15 Setembro de 2008 as 12

Supermercados paulistas mantêm previsão de crescimento

A alta registrada nos preços dos alimentos, com destaque para as commodities, verificada no último semestre não alterou o cenário nas lojas supermercadistas. Alguns consumidores das classes populares migraram para produtos mais baratos a fim de evitar os preços elevados do arroz e do feijão nos últimos meses, mas este comportamento não chegou a alterar significativamente a realidade do varejo. Agora, os empresários deste segmento constatam a volta à normalidade, com a inflação arrefecendo e os produtos da cesta básica começando a registrar deflação.

Nos últimos 14 anos, o reajuste de preços praticados pelos supermercadistas têm sido abaixo dos valores apresentados pelos indicadores de inflação. Desde o Plano Real, enquanto o Índice de Preço Atacado (IPA/FGV) registrou variação de 364% e o Índice de Preços ao Consumidor (IPC/FIPE) 177%, o Índice de Preços dos Supermercados (IPS/APAS) subiu 94%. "Isso mostra a disposição dos supermercados em acirrar as negociações com seus fornecedores, a fim de oferecer ao consumidor preços mais competitivos", destaca o presidente da APAS, João Sanzovo.

A questão dos preços aliada ao aumento da renda dos assalariados, ampliou o faturamento dos supermercados, mas não alterou a previsão de crescimento de 4,3% descontada a inflação do período, conforme estimativa do segmento em São Paulo no início de 2008. Segundo o vice-presidente de comunicação da Apas, Martinho Paiva Moreira , os consumidores migraram para marcas mais baratas ou produtos alternativos, mas não deixaram de comprar os itens que tiveram forte alta no primeiro semestre. "O que é mais importante é que o desejo de compra permaneceu constante."

Em 2007, o setor faturou R$ 136,3 bilhões no Brasil, sendo R$ 42,2 bilhões no Estado de São Paulo.

Fonte FSB Comunicações  

veja também