MENU

Tentativa de fraudes contra consumidor atinge R$ 5,8 bi em 2010

Tentativa de fraudes contra consumidor atinge R$ 5,8 bi em 2010

Atualizado: Segunda-feira, 29 Novembro de 2010 as 1:05

Neste ano, até outubro, o total de tentativas de fraudes envolvendo consumidores atingiu R$ 5,8 bilhões, segundo o novo Indicador Serasa Experian de Risco de Fraudes – Consumidor, divulgado nesta segunda-feira (29).

O tipo de fraude mais comum atualmente no Brasil e no mundo é o relacionado ao roubo de identidade, também conhecido como fraude de subscrição, de acordo com a Serasa.  A fraude de subscrição ocorre quando um suposto “cliente” consegue crédito com identificação falsa ou informação fraudulenta obtida do cliente “real” e não intenção de pagar pelo bem ou serviço adquirido.

Em 2010, o mês que bateu o recorde em tentativas de fraudes envolvendo consumidores foi maio, atingindo R$ 662,5 milhões. "Isto pode ser explicado pela ocorrência do Dia das Mães neste mês, dado que esta data comemorativa é a segunda mais forte do ano para o varejo, perdendo apenas para o Natal. Assim, com maior volume de consultas, o universo potencial para a ocorrência de fraudes envolvendo consumidores é mais elevado", disse a Serasa, por meio de nota.

As fraudes no crédito são as preferidas tanto nos golpes contra empresas quanto contra consumidores, pois trazem resultado imediato em termos de liquidez. Para uma empresa se prevenir de golpes, tanto de consumidores como de empresas clientes, deve confirmar dados cadastrais e avaliar as informações comportamentais.

Novo indicador

O novo indicador da Serasa Experian é resultado do cruzamento de três conjuntos de informações das bases de dados da Serasa Experian: total de consultas de CPFs efetuadas mensalmente na Serasa Experian; estimativa do risco de fraude, obtida através da aplicação dos modelos probabilísticos de detecção de fraudes desenvolvidos pela Serasa Experian, baseados em dados brasileiros e tecnologia Experian global já consolidada em outros países; valor médio das fraudes efetivamente ocorridas, registradas nas bases de inconsistências e de fraudes da Serasa Experian.

Neste ano, até outubro, o total de tentativas de fraudes envolvendo consumidores atingiu R$ 5,8 bilhões, segundo o novo Indicador Serasa Experian de Risco de Fraudes – Consumidor, divulgado nesta segunda-feira (29).

O tipo de fraude mais comum atualmente no Brasil e no mundo é o relacionado ao roubo de identidade, também conhecido como fraude de subscrição, de acordo com a Serasa.  A fraude de subscrição ocorre quando um suposto “cliente” consegue crédito com identificação falsa ou informação fraudulenta obtida do cliente “real” e não intenção de pagar pelo bem ou serviço adquirido.

Em 2010, o mês que bateu o recorde em tentativas de fraudes envolvendo consumidores foi maio, atingindo R$ 662,5 milhões. "Isto pode ser explicado pela ocorrência do Dia das Mães neste mês, dado que esta data comemorativa é a segunda mais forte do ano para o varejo, perdendo apenas para o Natal. Assim, com maior volume de consultas, o universo potencial para a ocorrência de fraudes envolvendo consumidores é mais elevado", disse a Serasa, por meio de nota.

As fraudes no crédito são as preferidas tanto nos golpes contra empresas quanto contra consumidores, pois trazem resultado imediato em termos de liquidez. Para uma empresa se prevenir de golpes, tanto de consumidores como de empresas clientes, deve confirmar dados cadastrais e avaliar as informações comportamentais.

Novo indicador

O novo indicador da Serasa Experian é resultado do cruzamento de três conjuntos de informações das bases de dados da Serasa Experian: total de consultas de CPFs efetuadas mensalmente na Serasa Experian; estimativa do risco de fraude, obtida através da aplicação dos modelos probabilísticos de detecção de fraudes desenvolvidos pela Serasa Experian, baseados em dados brasileiros e tecnologia Experian global já consolidada em outros países; valor médio das fraudes efetivamente ocorridas, registradas nas bases de inconsistências e de fraudes da Serasa Experian.    

veja também