MENU

Unger diz que vitória de Obama nos EUA é benéfica para países latino-americanos

Unger diz que vitória de Obama nos EUA é benéfica para países latino-americanos

Atualizado: Quarta-feira, 5 Novembro de 2008 as 12

Unger diz que vitória de Obama nos EUA é benéfica para países latino-americanos

O ministro de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger, é um dos brasileiros que melhor conhece o novo preseidente dos Estados Unidos, o democrata Barack Obama. O político negro que despertou a atenção mundial com um discurso inovador foi aluno de Unger na conceituada Universidade de Harvard. Lá o ministro atuou como professor de Direito e Filosofia e construiu uma relação de amizade com o democrata.

Segundo Unger, Obama, se eleito, deverá manter uma relação com os países latino-americanos marcada pelo ineditismo em termos de abertura de possibilidades de parcerias institucionais. O Brasil, alertou o ministro, deve estar atento para aproveitar o novo cenário.

"Ele [Obama] será o presidente americano com maior interesse intelectual na América Latina e na política latino-americana. Temos uma imensa oportunidade com os Estados Unidos. Depois dessa eleição em que os Estados Unidos se abrem para a busca de alternativas, nós brasileiros podemos propor um conjunto de iniciativas audaciosas", defendeu Unger em entrevista à Empresa Brasil de Comunicação.

A tese de que presidentes americanos republicanos são menos protecionistas do que os democratas e, por esse motivo, supostamente melhores para os países em desenvolvimento, é rejeitada por Unger. "É absurda essa idéia. Isto é insignificante no cômputo geral das coisas. Nosso maior interesse com os Estados Unidos é construirmos juntos um elenco de inovações institucionais, que ampliem as oportunidades para aprender, trabalhar e produzir em todo o novo mundo", argumentou Unger.

O ministro brasileiro prevê, a partir da eleição de Obama, uma redução gradual das diferenças negociais na relação entre o países. "Não estou dizendo que nossas disputas comerciais vão desaparecer repentinamente. O que estou propondo é abrirmos uma nova frente num nível mais lato. Se construirmos essas alternativas audaciosas e imaginativas, todos os pequenos assuntos materiais que nos dividem ficarão mais suscetíveis de composição", ressaltou.

As características de Obama destacadas pelo ex-professor são a audácia e a intelectualidade apurada. "[Obama] É um homem muito sereno, de grande penetração intelectual, que analisa cuidadosamente os problemas. É também um homem que demonstrou a capacidade de aceitar o sacrifício. Quando se formou na escola, rejeitou o caminho fácil das grandes firmas de advocacia e foi advogar para os pobres, enquanto ensinava Direito Constitucional", recordou Unger.

"Por fim é um homem que tem característica de muitos dos meus melhores alunos americanos, que é desconfiar das abstrações ideológicas, mas mostrar grande interesse pelos experimentos institucionais, pelas alternativas surpreendentes construídas de baixo para cima", acrescentou.

 

veja também