MENU

Causadores de tumulto participarão de concurso, diz PM do ES

Causadores de tumulto participarão de concurso, diz PM do ES

Atualizado: Quarta-feira, 14 Dezembro de 2011 as 11:26

Aproximadamente 300 candidatos foram prejudicados pelo tumulto criado durante a prova para o Curso de Formação de Soldados da Polícia Militar do Espírito Santo , realizado no último domingo (11). O comandante da Polícia Militar, coronel Ronalt Willian de Oliveira, comentou, em entrevista ao Bom Dia ES, a anulação da primeira etapa do concurso público.

Para o coronel, os causadores do tumulto ainda poderão participar do concurso. "Esses manifestantes, a princípio, não tiveram conhecimento do edital e alegaram que os portões foram fechados antes do horário. Infelizmente, eles vão poder fazer a nova prova e participar das demais etapas, como qualquer outra pessoa", afirma o coronel Willian.

De acordo com o comandante, o concurso da Polícia Militar é composto de sete etapas. As três primeiras, que compreendem o teste intelectual, o psicotécnico e o de aptidão física, foram contratadas pela PM por meio de um processo licitatório. Por contrato, a empresa responsável deve arcar com os prejuízos de qualquer cancelamento destas etapas.

Primeira etapa anulada

A primeira etapa do concurso público para o Curso de Formação de Soldados da Polícia Militar do Espírito Santo, realizado no último domingo (11) foi anulada, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Espírito Santo (Sesp). A nova prova será realizada no próximo dia 15 de janeiro de 2012. Não será preciso pagar outra taxa de inscrição. Quem não puder realizar a prova na nova data não poderá solicitar a devolução do dinheiro.

De acordo com a Sesp, a nova data foi escolhida para que os candidatos possuam mais tempo para se preparar e que ninguém saia prejudicado pelos incidentes que aconteceram no último domingo .

"A empresa me notificou formalmente do tumulto que ocorreu. Devido ao acontecido, alguns candidatos não conseguiram completar a prova, e outros, assustados, saíram do local de prova com a avaliação, o que é irregular. Mas, não temos motivo para duvidar da lisura da empresa que realiza a prova, ela vai continuar conosco até por questões contratuais. Infelizmente o incidente aconteceu, mas a marca de quase 35 mil candidatos inscritos é um orgulho", diz o secretário Henrique Herkenhoff.

Confusão

Muitas pessoas foram impedidas de entrar nas salas da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) antes da realização da prova, porque os portões teriam sido fechados antes das 13h45, horário previsto no edital. Os candidatos protestaram pedindo o cancelamento da prova. Um dos candidatos arremessou uma jaca em uma sala e quebrou o vidro da janela, na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). A empresa Exatus Concursos, que organizou a prova, informou que todos os portões foram fechados às 13h45, como estava previsto no edital, e ressaltou que a orientação era para que os candidatos chegassem com uma hora de antecedência. De acordo com a organização, muita gente chegou atrasada e provocou o tumulto para prejudicar quem chegou no horário. Por volta das 14h30, a Polícia Militar foi chamada para impedir que as pessoas que ficaram do lado de fora entrassem para tentar fazer a prova do concurso. Pouco depois, chegou o Batalhão de Missões Especiais.

O concurso oferece 650 vagas . O subsídio bruto enquanto aluno é de R$ 1.023,32, que depois de formado passará a R$ 2.421,76.        

veja também