Centrais lotam plenário da Câmara por mínimo maior que R$ 545

Centrais lotam plenário da Câmara por mínimo maior que R$ 545

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:55

Dezenas de representantes das centrais sindicais lotaram o plenário da Câmara nesta terça-feira (15), em protesto por um salário mínimo maior que R$ 545. Eles acompanham comissão-geral que acontece na Casa, com a participação do ministro Guido Mantega (Fazenda).

"Getúlio, Jango e Lula aumentaram o salário mínimo, e a Dilma?", questiona uma das faixas dos sindicalistas.

Além de Mantega, representantes das centrais e técnicos da oposição participam do debate.

Segundo o líder do governo, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), a base está "em uma situação confortável" e "muito diferente da semana passada".

Todos os líderes participaram hoje de almoço na casa do líder peemedebista, Henrique Eduardo Alves (RN). Vaccarezza não quis comentar a possibilidade de retaliação contra deputados e partidos que votarem por uma valor maior do que os R$ 545.

DISSIDENTE

Em reunião na manhã de hoje, o PDT, por exemplo, do deputado Paulo Pereira da Silva (SP), continuou defendendo R$ 560.

Questionado se o partido poderia perder o ministério ou ter cortes de emendas, o líder respondeu: "Não compete a mim decidir isso [ministérios], mas essa é uma discussão que faremos depois da votação. Ninguém paga pela intenção de cometer um crime, só paga depois que comete".

O PSB fará mais uma reunião para definir se votará unido com o governo. PT, PMDB, PR, PP, PTB e PSC fecharam com o valor de R$ 545. Nenhum deles, no entanto, fechou questão.

Por Maria Clara Cabral

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições