MENU

Abatido, Inter vê disputa do terceiro lugar como formalidade

Abatido, Inter vê disputa do terceiro lugar como formalidade

Atualizado: Sexta-feira, 17 Dezembro de 2010 as 11:20

Os jogadores do Inter fazem um esforço dos grandes para tentar valorizar a disputa do terceiro lugar no Mundial de Clubes. E não conseguem. Nas conversas na concentração colorada em Abu Dhabi, na expressão facial dos atletas em cada entrevista, na melancolia que toma conta dos treinos, em cada ato do time vermelho em Abu Dhabi está evidenciado que o jogo contra o Seongnam, da Coreia do Sul, não passa de formalidade. Claro, o Inter quer vencer o jogo, sob pena de pagar um mico ainda maior, mas a motivação é nula.

Os discursos dos jogadores mudaram. Logo depois da derrota de 2 a 0 para o Mazembe, muitos deles admitiram que, se pudessem, sumiriam de Abu Dhabi. Depois, tentaram forçar uma motivação que não existe.

- Gostaria de pegar o primeiro avião de volta para o Brasil – disse Rafael Sobis minutos após a derrota para os africanos.

Nas entrevistas de quarta e quinta-feira, enquanto tentava assimilar o abalo, o elenco vermelho dava um jeito de valorizar a partida. Mas a depressão dos jogadores deixava claro que o jogo contra os coreanos é uma questão burocrática. Um exemplo: quando a Fifa procurou o clube para gravar entrevistas que passariam no telão do estádio Bin Zayed Sports, a assessoria de imprensa achou melhor vetar. Não viu clima para comentários sobre a partida.

O treinamento desta quinta-feira foi melancólico: sem ritmo, sem pegada, em silêncio, com apenas Celso Roth tentando dar orientações a atletas quase mudos. O Inter irá a campo neste sábado porque precisa ir. O desejo era de já estar no Brasil.

A forte presença de colorados nos Emirados Árabes fica como resquício de motivação. Só isso pode dar algum ânimo aos boleiros em um ambiente de enorme tristeza.

- Não temos desculpa. O torcedor gastou muito dinheiro para vir aqui. Como nós, ele se preparou há quatro meses para esse jogo. Fugiu tão rápido. Sumiu tão rápido. Não temos desculpa, não temos resposta. O torcedor tem que entender que a gente fez tudo. Perder faz parte. É difícil. Passei muito tempo me preparando para um jogo tão importante. E sumiu em duas horas – disse D’Alessandro.

O Inter deve repetir, contra o Seongnam, o time da derrota para o Mazembe. A exceção é o volante Guiñazu, que tem dores musculares e deve ficar fora.

veja também