MENU

Adriano no Corinthians? Léo Moura diz que não combina

Adriano no Corinthians? Léo Moura diz que não combina

Atualizado: Quarta-feira, 8 Dezembro de 2010 as 12:12

Se Ronaldo se esforça para levar Adriano ao Corinthians, Léo Moura lembra que as portas do Flamengo estarão sempre abertas para o Imperador. O capitão rubro-negro reconhece que a amizade com o Fenômeno pode fazer o atacante do Roma-ITA optar pelo clube paulista, mas ressalta que a identificação com o Fla também é importante.

- Acho que não combina com o Corinthians. Adriano é a cara do Flamengo, é flamenguista. A amizade conta muito no futebol, e ele e Ronaldo são muito amigos. Vamos esperar. É um grande jogador e o queremos no nosso clube. O Adriano esteve aqui, e as portas estão abertas - disse.

A possibilidade de Adriano retornar ao Brasil não empolga. Tanto a presidente Patricia Amorim quanto o diretor de futebol Luiz Augusto Veloso não têm interesse em tê-lo novamente no elenco por causa dos problemas extracampo. A mandatária, no entanto, não considera uma reaproximação impossível.

- Não podemos iludir o torcedor. Não quero isso. O Flamengo não fecha as portas para o Adriano ou qualquer jogar deste nível - disse.

Apesar de ter propostas de Santos e Inter e ainda não saber se ficará no Flamengo em 2011, Léo Moura se coloca à disposição dos dirigentes e do técnico Vanderlei Luxemburgo para ajudar na reformulação do elenco.

- Eu procuro sempre fazer contato com os companheiros que eu gosto, que estão em fim de contrato. Dou uma ligada, chamo. O Jean (zagueiro) foi um dos que conversei, o Maldonado (volante) foi outro, já tinha jogado comigo. Sou um jogador que tem a confiança de outros. Às vezes, os jogadores aceitam. Espero contribuir com algum que venha reforçar a equipe. Quando vejo na internet e é meu amigo, procuro saber como estão os negócios. Posso passar a confiança de que o dia em que vierem para o Flamengo não terão problemas. Antes, perguntavam sobre o salário, mas hoje podem vir tranquilos, porque vão ser bem pagos - afirmou.

Por: Richard Souza

veja também