MENU

Americanas disparam, e brasileiras ficam com a prata no 4x200m livre

Americanas disparam, e brasileiras ficam com a prata no 4x200m livre

Atualizado: Quarta-feira, 19 Outubro de 2011 as 10:35

Tatiana chega e garante a prata para o Brasil no

4x200m livre (Foto: Satiro Sodré/AGIF)   Chegar nas americanas parecia uma missão impossível. A disputa pelo ouro no revezamento 4x200m livre perdeu a graça assim que a equipe dos Estados Unidos disparou na piscina em Guadalajara. A briga passou a ser pela prata, e aí o Brasil não decepcionou. Joanna Maranhão, Jéssica Cavalheiro, Manuella Lyrio e Tatiana Lemos seguraram a pressão das mexicanas e garantiram o segundo lugar na noite de terça-feira.

- A gente conseguiu se superar. Quando nada as quatro, a emoção fica bem distribuída. A gente não nada sozinho, temos certeza que tem três pessoas e o Brasil inteiro torcendo pela gente. Estamos tentando dar um “upgrade” nesse revevamento, que estava há muito tempo sumido, mas já fez muita história – disse Jéssica Cavalheiro, de 20 anos.

Sem dificuldades, as americanas cravaram o tempo de 8m01s18. O Brasil fechou a prova em 8m09s89, enquanto as mexicanas, que levantaram a torcida ao entrarem para a competição vestindo sombreros, chegaram logo atrás com 8m12s19.

Joanna Maranhão, que tinha nadado os 200m medley pouco tempo antes, abriu a prova sem se poupar, apesar de ter machucado o dedo na disputa anterior. Fez as duas primeiras viradas na frente, mas perdeu ritmo e entregou em terceiro lugar para Jéssica Cavalheiro. Com a mexicana ao lado perdendo força, Jéssica entregou em segundo para Manuella Lyrio, que manteve a posição. Tatiana Lemos pulou para a última parte da prova tentando defender a prata contra a mexicana Suzana Escobar, que vinha logo atrás. A americana Amanda Kendall já tinha disparado na frente, garantindo o ouro, e a brasileira conseguiu segurar a segunda colocação.

- Na hora, não dói muito. Eu só tentei cair na água com a mão direita embaixo, deixar a mão esquerda apoiada. Na hora, com a adrenalina, não dói. Agora que está doendo um pouquinho. Mas agora tenho mais de 14 horas até a prova de amanhã. Então, é tempo suficiente para recuperar esse dedo - afirmou Joanna, que bateu com o dedo indicador da mão esquerda na borda, no fim da prova dos 200m medley.

veja também