MENU

Ansioso por habilitação, Tiago Fernandes se prepara para "porrada"

Ansioso por habilitação, Tiago Fernandes se prepara para "porrada"

Atualizado: Quarta-feira, 5 Janeiro de 2011 as 11:13

No próximo dia de 30 de janeiro, o título juvenil conquistado por Tiago Fernandes no Aberto da Austrália completa um ano. Um dia antes, ele comemora o 18º aniversário. Na véspera de alcançar a maioridade, o alagoano treinado pelo técnico Larri Passos se diz ansioso para tirar sua carteira de motorista e avisa que está pronto para suportar as dificuldades na transição definitiva para os torneios profissionais.

"O começo é muito difícil. Serão jogos duros, em que vou ter que aprender, vou ter que levar porrada", disse Fernandes. Em 2010, ele disputou os torneios classificatórios para os ATP 250 da Costa do Sauípe, quando Larri recusou o convite para jogar a chave principal após o título na Austrália, de Houston e de s-Hertogenbosch, mas não conseguiu vencer. Em nível challenger, os melhores resultados foram as oitavas de final de Pequim e São Paulo.

Através de um convite da organização do Aberto da Austrália, Tiago Fernandes participará do qualifying para a chave principal de um Grand Slam pela primeira vez na carreira. Com status de detentor do título juvenil do evento, o brasileiro evita criar grandes expectativas e deixa claro que sua prioridade é "aprender ao máximo" em Melbourne.

O jovem resolveu iniciar 2011 na disputa do torneio classificatório para o Aberto de São Paulo. Após ter seu jogo interrompido em função da instabilidade climática no Parque Villa Lobos, ele concedeu entrevista exclusiva à GE.Net. O alagoano comemorou a possibilidade de se aproximar de Thomaz Bellucci, treinado por Larri Passos desde o final do ano passado, e revelou que estuda a possibilidade de fazer uma faculdade a distância:

GE.Net - No dia 30 de janeiro, seu título no Aberto da Austrália completa um ano. Como foram esses quase 365 dias para você? Foram os melhores da sua vida?

Tiago - Foi um ano que comecei muito bem e consegui manter o ritmo praticamente a temporada inteira. Joguei muito bem Roland Garros, mas infelizmente perdi nas quartas. Também joguei vários torneios profissionais já no ano passado. Eu comecei o ano em 900 e pouco no ranking (947º) e terminei em 577. Foi uma subida bastante boa e tive experiências que acrescentaram bastante na minha carreira: jogar as Olimpíadas (da Juventude), viajar para a Ásia, jogar todos os Grand Slam de novo, ganhar um Grand Slam... Tudo isso me motivou mais.

GE.Net - No aspecto pessoal, todas essas experiências devem ter proporcionado um amadurecimento significativo também...

Tiago - Acho que é normal. O amadurecimento do tenista ou de qualquer atleta vem normalmente com a carreira. Eu estou bem tranquilo agora. Já estou mais maduro em relação à distância da minha família e todos esses tipos de dificuldades.

GE.Net - Você tem aquela sensação de que esse ano passou muito rápido ou acha que conseguiu aproveitar bem tudo que te aconteceu?

Tiago - Eu nunca tenho essa sensação de que passou rápido. Como tenho uma vida tão puxada, vivo intensamente. Estamos viajando e jogando torneios praticamente todas as semanas e muitas vezes são viagens longas. Quando não estamos jogando, estamos treinando duro. Tudo isso vai desgastando, mas acho que eu vivo bastante intensamente, então aproveito mais as coisas.

GE.Net - Você recebeu um convite  para disputar o torneio classificatório para a chave principal do Aberto da Austrália. Na sua primeira tentativa de entrar num Grand Slam profissional, acha que tem boas chances de passar ou é algo improvável?

Tiago - Prefiro não colocar expectativas justamente pelo fato de ser o meu primeiro Grand Slam. Acho que vai ser muito bom. Por ser meu primeiro Grand Slam, estou bastante animado. Mas prefiro não colocar expectativas. Acho que vou chegar lá e desfrutar. Quero tentar aprender ao máximo, sugar tudo de bom que tem aquela atmosfera de Grand Slam e quem sabe ganhar alguns jogos. Vamos ver.

GE.Net - Te dá um pouco de pena não poder defender o título juvenil conquistado no ano passado?

Tiago - Vamos deixar para defender no profissional. Acho que não tem porque defender um título no juvenil. O melhor vai ser defender no profissional.

GE.Net - Em 29 de janeiro, um dia antes de seu título na Austrália completar um ano, você faz 18 anos. É uma data simbólica significativa, a chamada maioridade. Você está ansioso com isso? Para tirar a carteira de habilitação, comprar um carro...

Tiago - (Risos) Do carro, não sei. Tenho que tirar a carteira primeiro...

GE.Net - Será que o Larri vai te dar um tempo para fazer isso?

Tiago - Isso que é complicado. Tem que tirar umas semanas para fazer as aulas. Vamos ver no calendário se vai sobrar um tempo.

GE.Net - Você já sabe dirigir?

Tiago - Já sei um pouco. É só tirar a carta agora (risos). A gente fica animado para tirar. Mas é normal a excitação para pegar o carro e sair andando. Acho que é natural, mas vamos esperar para tirar a carteira.

GE.Net - Mas você pretende comprar um carro logo que completar 18 anos?

Tiago - (Risos) Se tivesse dinheiro, eu comprava. Vou pedir um empréstimo para o meu pai.

GE.Net - Está precisando de empréstimo, Tiago?

Tiago - Ô...

GE.Net - Nesse contexto de novidade, a ideia em 2011 é deixar os torneios juvenis para alternar challengers e futures com eventos da ATP. Você espera muita dificuldade nesse momento de transição?

Tiago - Agora é uma nova fase para mim. Como juvenil, acho que já fechei. Consegui os objetivos que tinha traçado como juvenil e agora preciso pensar para frente. O começo é muito complicado, tem que jogar muitos jogos, futures e challengers. Mas é isso aí. Tem que jogar, só vou aprender jogando.

GE.Net - O Larri disse que vai ter uma fase em que você vai perder mais jogos do que ganhar. Está preparado para suportar isso?

Tiago - O começo é muito difícil. Serão jogos duros, em que vou ter que aprender, vou ter que levar porrada. Mas é como eu te falei: tenho que aprender jogando e fortalecendo o meu jogo.

GE.Net - Se você não conseguir um bom desempenho nos torneios profissionais, admite a possibilidade de voltar aos eventos juvenis ou acha que seria uma espécie de retrocesso na carreira?

Tiago - Pode ser que eu jogue mais algum Grand Slam juvenil, mas não vejo nenhum objetivo a mais que possa acrescentar na minha carreira jogar mais torneios juvenis. Mas pode ser que sim. Se for ajudar no calendário ou acrescentar para mim, com certeza. Mas o fato de estar perdendo e não tendo bons resultados não quer dizer nada, porque tenho que pensar em crescer agora.

GE.Net - Desde o final do ano passado, o Larri passou a treinar o Thomaz Bellucci. Você gostou dessa novidade?

Tiago - Acho legal o Bellucci estar junto, mais próximo e treinando com o Larri. Sei que vai ser difícil por causa do ranking, mas quando tiver oportunidade de viajar com eles, acho que seria muito legal. Aprender, estar junto, treinar com ele na academia. É muito positivo.

GE.Net - Como foi a pré-temporada com o Bellucci em Camboriú?

Tiago - Apesar da pouca idade que ele tem, é um cara que já ganhou dois títulos de ATP (Gstaad-2009 e Santiago-2010), está perto dos 30 do mundo há um bom tempo e tem muita coisa para passar para nós. A rotina lado a lado com ele vai ser muito legal para puxar a gente e aprender.

GE.Net - O Bellucci é cinco anos mais velho que você. Você chega a vê-lo como um ídolo ou mais como um amigo mesmo?

Tiago - A imagem que tenho dele é de um cara que tem que se espelhar. O que ele já fez... Chegar a 21 do mundo, todos os títulos que ele já ganhou, todas as experiências que ele viveu. Nós temos que aproveitar isso. Fazia tempo que o Brasil não tinha um cara assim, então acho que é bastante positivo. Está mais próximo de mim e acho isso legal.

GE.Net - O Christian Lindell é pouco mais de um ano mais velho que você. Você chegou a conversar com ele sobre esse dilema de atuar como brasileiro ou como sueco (o tenista tem dupla nacionalidade)?

Tiago - Não conversei direito sobre isso ainda. Nos conhecemos muito bem, viajamos muito no juvenil. Ele é mais velho, mas a gente chegou a jogar juntos, porque eu jogava uma categoria acima. Já jogamos dupla juntos e somos bastante amigos.

GE.Net - Como um juvenil de sucesso, que conselho você daria para o Christian?

Tiago - Acho que isso é muito relativo, né velho? Não sei como é a situação dele na Suécia. Ele me disse que adoraria voltar. Se a estrutura for legal, sem dúvida ele voltará.

GE.Net - Outro jovem que está na dúvida é o Henrique Cunha, que precisa decidir entre a carreira profissional de tenista e a faculdade de administração nos Estados Unidos. O que você acha que seria melhor para ele?

Tiago - Com o Henrique Cunha, eu não tive muito contato. Acho que cada um se conhece e tem que fazer suas escolhas. Se ele está fazendo faculdade, focado, estudando e treinando, não tem nada de errado. Se conseguir conciliar os torneios, acho que seria uma boa.

GE.Net - Você acabou de terminar o segundo grau. Pretende cursar alguma faculdade?

Tiago - Estou pensando se dá para fazer uma faculdade a distância. Estou resolvendo isso com meus pais, é um assunto que ainda estou discutindo com minha família e com o meu treinador.

GE.Net - Você já tem algum curso em mente?

Tiago - Ainda não sei, talvez administração, que é um curso de base legal.

GE.Net - Você tem uma rotina diferente da maioria dos jovens da sua idade. Conseguiu tirar alguns dias de férias mesmo, sem estudar e sem treinar?

Tiago - Fiquei 12 dias livre. Viajei a Maceió para ficar em casa, fui visitar meus avós, fui na praia...

GE.Net - Deu para fazer as coisas de um jovem normal? Ficar na praia, sair com os amigos, curtir umas baladas?

Tiago - Claro, pô. A gente tem que aproveitar as férias e saber se divertir com consciência. Tem que cultivar as amizades e estar sempre junto com a família. Acho que a família vem em primeiro lugar. Isso aí, não pode perder nunca.

GE.Net - Para terminar, você tem algum sonho ou objetivo para 2011?

Tiago - Nesse ano, não vou ficar criando expectativas altas. Sei que vai ser um ano difícil e complicado para mim, mas ao mesmo tempo vou crescer e amadurecer muito. Em termos de objetivos, vou pensar mais a longo prazo. Esse ano é muito cedo para fazer isso ainda.

veja também