MENU

Apesar da festa, desorganização marca a apresentação de Ronaldinho

Apesar da festa, desorganização marca a apresentação de Ronaldinho

Atualizado: Quinta-feira, 13 Janeiro de 2011 as 9:26

Organizada em poucos dias, a apresentação de Ronaldinho Gaúcho foi cercada de falhas que prejudicaram o evento. Quem chegou cedo à Gávea fez mal. Afinal, o primeiro problema aconteceu logo na entrada. O portão que dava passagem ao campo saiu do trilho e, na pressão dos torcedores, acabou derrubado. Por sorte, ninguém se feriu.

Passado o susto, muitos foram obrigados a sair. Isso porque o clube não pensou no forte calor e no longo tempo que os torcedores teriam que esperar e, com isso, não providenciou a venda de bebidas dentro do campo. Resultado: muitas pessoas saiam e entravam para comprar bebidas em camelôs e na loja de conveniência de um posto de gasolina. Para os ambulantes, a festa foi completa. Em menos de duas horas, as cinco pessoas que vendiam bebidas no entorno já haviam ido embora com todo o estoque esgotado. O problema dentro de campo só foi resolvido depois que de uma tenda por trás do local começaram a sair alguns vendedores com água em isopores. Mesmo assim, a quantidade era muito pequena para o número de torcedores.

A festa no palco, comandada por Diogo Nogueira, Dudu Nobre e a bateria da mangueira conseguia entreter o público. Mas o longo tempo de espera fez com que faltasse repertório para segurar a já impaciente massa. Querendo agradar, Dudu puxou o grito de uma das torcidas organizadas, o que fez com que a outra respondesse. Imediatamente, a música foi mudada e os ânimos serenaram.

Contudo o momento de maior tensão ainda estava por vir. E justamente na hora mais esperada do dia. Quando Ronaldinho chegou ao palco, dezenas de pessoas invadiram o local para ficar mais perto do craque. A quantidade de gente era tão grande, que mal se conseguia ver o craque do campo. E houve quem temesse pela segurança do jogador:

- Isso aqui está muito cheio, ainda vai cair – disse um dos funcionários que estava no palco.

Estava programado que Ronaldinho seria recepcionado com uma chuva de papel picado, mas o extintor que seria usado para jogar os papéis coloridos para o ar não funcionou e o jeito encontrado pelos funcionários foi jogar os papéis com as próprias mãos.

O tempo de permanência de Ronaldinho no palco foi escasso. O craque ficou pouco mais de dez minutos no palco, o que frustrou os torcedores. Assim que o jogador deixou o palco, pessoas aproveitaram a falha de segurança para pular o alambrado e invadir o clube. Houve ainda um princípio de confusão, com torcedores querendo agredir uma pessoa, mas logo o tumulto foi separado.

Na entrevista coletiva, mais problemas. Dezenas de torcedores entraram no salão nobre do clube e interromperam algumas respostas com gritos. Houve também reclamação de cinegrafistas e fotógrafos, porque alguns torcedores passavam em sua frente, atrapalhando as imagens.

Ronaldinho segue nesta quinta-feira para Londrina, no Paraná, onde se junta ao restante do elenco rubro-negro. O jogador é esperado com muita ansiedade pela população local, que espera ter algum contato com o ídolo.

Por: Thiago fernandes e Mariana Kneipp

veja também