MENU

Após incidente com Button, equipes defendem Interlagos: 'É um exagero'

Após incidente com Button, equipes defendem Interlagos: 'É um exagero'

Atualizado: Terça-feira, 9 Novembro de 2010 as 11:07

A repercussão negativa da tentativa de assalto ao inglês Jenson Button não fez a cabeça das equipes. Para o chefão da McLaren, Martin Whitmarsh, seria injusto punir o circuito por incidentes fora do autódromo.

- Para ser justo com os organizadores, eu não acredito que eles sejam responsáveis pelo que acontece fora daqui. Há um limite para o que os organizadores podem fazer. Eu acho que ouvimos sobre isso com o passar dos anos, mas estão exagerando. Eu soube que houve cinco incidentes neste ano. Quando falaram que eles estavam carregando metralhadoras, então começaram a aumentar as coisas. Então, é preocupante. Mas o Brasil tem uma Copa do Mundo e as Olimpíadas chegando. Então, é algo que deverá ser trabalhado e estou certo de que vão fazer isso. Eu acredito que este país está vivendo uma bolha econômica no momento. Então, seria legal ver o país se desenvolver como sei que vai acontecer nos próximos anos.

Para Stefano Domenicali, chefão da Ferrari, a segurança brasileira deverá melhorar nos próximos anos.

- Para ser sincero, não quero dizer que estamos aqui e é uma situação perigosa. Nós sabemos que em qualquer lugar do mundo uma coisa ruim pode acontecer. Eu acredito que devemos agradecer aos organizadores por estarem fazendo o possível. Nós não tomamos nenhuma precaução extra. Eu quero me ater ao fato de que a atmosfera é realmente boa no Brasil.

Button sofreu uma tentativa de assalto no caminho do autódromo de Interlagos para um hotel no Morumbi, em São Paulo na véspera do GP do Brasil. O inglês estava dentro do seu carro blindado, quando homens armados tentaram abordar o veículo. O motorista, um policial brasileiro treinado, conseguiu forçar a passagem no trânsito e escapou do assalto. A escuderia emitiu um comunicado dizendo que o carro não foi danificado, nada foi roubado, não houve tiros e ninguém ficou ferido.

Como de hábito com os pilotos da McLaren, a Mercedes Classe B 200 blindada estava sendo dirigida por um policial treinado em táticas de direção contra situações de emergência. Além de Button e do motorista, estavam no veículo o pai do piloto, John Button, o fisioterapeuta Mike Collier e o empresário Richard Goddard.

veja também