MENU

Após noite insone, Djokovic já fala em ser número 1 e brilhar no saibro

Após noite insone, Djokovic já fala em ser número 1 e brilhar no saibro

Atualizado: Segunda-feira, 31 Janeiro de 2011 as 10:14

O sérvio Novak Djokovic aproveitou a manhã de segunda-feira para dar uma voltinha em Melbourne com o troféu do Australian Open. O tenista conquistou o torneio no domingo, ao bater o britânico Andy Murray. Ao falar com os jornalistas, chamou a atenção a cara de sono de Djokovic, que admitiu praticamente não ter dormido na última noite.

- Trouxemos uma dupla sérvia que tocou música tradicional nossa por duas horas... Saímos do vestiário às 2h da manhã. É tudo o que eu lembro. Eu estava carregando a mim mesmo, minhas bolsas e o troféu. Não consegui dormir de verdade porque ainda estava sob o grande sentimento de ter conquistado o título. É difícil por causa da euforia - contou.

Djokovic fez também uma breve análise de seu atual momento na carreira. Ele, que conquistara seu primeiro (e único até domingo) Grand Slam também na Austrália, há três anos, acredita que joga atualmente o melhor tênis de sua vida.

- Foi um período de altos e baixos para mim nos últimos três anos. Não tive a consistência e auto-confiança de que precisava. Agora e desde os últimos seis meses acho que atingi o nível de que precisava. Nos últimos dois meses, venho jogando provavelmente o melhor tênis da minha vida e não posso pedir por um começo de temporada melhor. Ganhar um Grand Slam nos enche de confiança - disse.

Normalmente o primeiro tenista logo abaixo dos gigantes Rafael Nadal e Roger Federer, Djokovic, ainda que de maneira tímida, já admite entrar na briga para chegar ao topo do ranking em 2011. Para isso, o sérvio sabe que precisará render muito bem na temporada de saibro. De quebra, o desempenho em Roland Garros, o segundo Grand Slam do ano, também precisa melhorar. Até hoje, Djokovic chegou no máximo à semifinal do torneio, o mais importante dentre os disputados em solo de pó de tijolo.

- Se eu quiser me tornar o melhor jogador do mundo, preciso ganhar mais Grand Slams. Mas sim, minha meta, pode-se dizer, é ir bem no saibro e conseguir minha melhor campanha em Roland Garros - finalizou.

veja também