MENU

Argentina joga mal e fica no zero com Colômbia. Torcida pede Maradona

Argentina joga mal e fica no zero com Colômbia. Torcida pede Maradona

Atualizado: Quinta-feira, 7 Julho de 2011 as 8:23

Sem imaginação, burocrática e com seu astro Lionel Messi apagado, a Argentina voltou a decepcionar na Copa América. Em Santa Fé, no Brigadeiro Estanislao López, estádio conhecido como o "Cemitério dos Elefantes", os hermanos não passaram de um magro 0 a 0 diante da Colômbia, pela segunda rodada do Grupo A, nesta quarta-feira. Confira a classificação atualizada e a tabela de jogos da Copa América-2011

A má exibição e o resultado decepcionante fizeram com que a torcida chegasse a ensaiar vaias e gritar “Diego! Diego!”, pedindo o retorno do eterno ídolo Maradona ao comando da seleção albiceleste - seu sucessor, Sergio Batista, foi muito cobrado pelo empate. Melhor em campo, a seleção de Falcao García, Armero e Guarín desperdiçou ótimas oportunidades e ajudou o goleiro Sergio Romero a ser eleito o craque do jogo, em votação dos torcedores no site oficial da Copa América. Ainda houve um pênalti claro não marcado a favor da Colômbia pelo árbitro brasileiro Salvio Spínola.

A situação na chave não é das mais simples. Com dois pontos, a Argentina corre risco de não se classificar mesmo se derrotar a Costa Rica na próxima segunda-feira, em Córdoba. O primeiro lugar está ameaçado, já que os colombianos chegaram aos quatro pontos e estão virtualmente na próxima fase. A Bolívia, que soma um, joga nesta quinta-feira contra os costarriquenhos, em San Salvador de Jujuy, às 19h15m (de Brasília).

BLOG FUTEBOL ARGENTINO: Lamentável, Batista! Comente novo tropeço dos hermanos

Cabisbaixo, Lionel Messi parece não acreditar em outro tropeço da seleção argentina (Foto: Reuters)

Argentina: muito toque, pouca objetividade Com apenas uma mudança em relação ao time que decepcionou na estreia diante da Bolívia, a Argentina começou a partida tentando impor seu ritmo à la Barcelona, estilo admirado pelo técnico Sergio Batista: muitos toques e posse de bola.

Os colombianos, mais tranquilos em campo por conta do triunfo na primeira rodada diante da Costa Rica, se fechavam atrás – apenas a estrela Falcao García atuava na frente – e exploravam os contra-ataques com Ramos e Moreno. Além disso, marcavam forte no meio de campo. Às vezes, com excessos, caso do volante Aguilar, que recebeu o amarelo do árbitro brasileiro Salvio Espínola logo aos sete minutos, após dura entrada em Tevez.

Apesar do controle da bola – na realidade, mais troca passes na intermediária do que no ataque –, a Argentina só chegou com perigo aos 17. De maneira despretensiosa. Cambiasso foi tentar cruzar e, sem querer, quase encobriu o goleiro Martinez, que se esticou todo para espalmar e ceder o escanteio.

Colômbia perde gols incríveis. Salvio ignora pênalti

A resposta colombiana foi rápida e quase fatal. Em contragolpe, Moreno cruzou à meia altura para Ramos que, sozinho na pequena área, conseguiu a proeza de mandar por cima da meta de Sergio Romero. Aos 25, a zaga argentina falhou, Ramos entrou cara a cara com Romero e, ao tentar driblar Romero, foi derrubado por Burdisso. Pênalti claríssimo e que justificaria a expulsão do defensor argentino. Salvio preferiu dar vantagem, já que a bola sobrou à feição para Moreno só empurrar para o gol vazio. No entanto, o atleta do Once Caldas mandou para fora em lance digno de Inacreditável Futebol Clube ( veja acima ).

Messi apagado e vaias

Os dois lances assustaram os hermanos, que, nervosos, passaram a errar mais passes. Lionel Messi, mesmo sem marcação individual, pouco produzia. Nas arquibancadas, torcedores que apoiaram a Albiceleste intensamente no início da partida só voltaram a se manifestar depois de Lavezzi, aos 33, chutar para boa defesa de Martínez. Em boa jogada do craque do Barça, diga-se.

A empolgação durou pouco. Mal-arrumada, a Argentina sequer conseguia manter a posse de bola. Falcao e Ramos, aos 41 e 43, com tiros perigosos de fora da área, obrigaram Romero a fazer duas grandes intervenções. Com a exibição abaixo da média, os donos da casa foram para o intervalo debaixo de algumas vaias. E com Messi sentindo o tornozelo. Nada grave.

Carlitos Tevez foi outro que deixou a desejar: faltou inspiração ao setor ofensivo argentino (Foto: Reuters)

Colômbia manda, e Armero quase marca Ao contrário do esperado, Batista não fez trocas para a segunda etapa. E a postura dos donos da casa tampouco mudou. Passes para o lado e pouca profundidade. A Colômbia, bem postada em campo, tinha as rédeas do duelo.

Nas arquibancadas, o silêncio mostrava a insatisfação com a falta de ambição dos donos da casa. Postura essa que não mudou quando, aos 16, Agüero e Gago entraram nas vagas de Lavezzi e Cambiasso, respectivamente. O volante do Inter de Milão, que completava 50 jogos com a camisa albiceleste, saiu sob alguns pitos da torcida.

Sergio Batista virou alvo da ira da torcida, que pediupelo retorno de Diego Maradona (Foto: Reuters)

Três minutos depois, Falcao, soberano no meio da claudicante defesa argentina, puxou belo contra-ataque e passou para Moreno, que tocou para o ex-palmeirense Armero. O lateral arrematou cruzado para ótima intervenção de Romero. Logo em seguida, o arqueiro do AZ Alkmaar, da Holanda, voltou a salvar a pátria argentina, espalmando um chute à queima roupa de Falcao. Quatro atacantes, nenhum gol

Sem ter visto seu time arrematar decentemente uma vez sequer até então no segundo tempo, Batista sacou aos 27 o volante Banega e colocou Higuaín, deixando a Argentina com quatro atacantes e nenhum meia de ofício - Javier Pastore, jovem do Palermo e que interessa a gigantes europeus, estava no banco de reservas.

Ainda assim, foi do centroavante do Real Madrid, finalmente, o primeiro chute da Argentina na etapa final aos 31. Martinez, bem colocado, colocou para escanteio.

O lance, porém, não despertou os hermanos. Faltava inspiração. Prova disso foi uma cobrança de falta de Messi na arquibancada. Do alto do estádio, a insatisfação com o técnico Sergio Batista chegou ao máximo quando a torcida pediu o retorno de Maradona ao gritos de “Diego, Diego”. A Colômbia, satisfeita com o resultado, cozinhou a partida e assegurou o empate que, no fim das contas, saiu até barato para a Argentina.          

veja também