MENU

Avaí castiga o Grêmio Prudente na Ressacada

Avaí castiga o Grêmio Prudente na Ressacada

Atualizado: Segunda-feira, 10 Maio de 2010 as 8:44

No title Se em 2009 o Avaí só venceu na oitava rodada do Brasileirão, a estreia do time na edição deste ano foi empolgação pura. Contra o Grêmio Prudente, o time do técnico Péricles Chamusca soube aproveitar o fato de ter dois jogadores a mais durante todo o segundo tempo e goleou sem piedade. Na Ressacada, em Florianópolis, vitória maiúscula, por 6 a 1. Os paulistas bem que se esforçaram, foram equilibrados na etapa inicial, mas suportar a pressão em desvantagem, fora de casa, realmente era uma tarefa ingrata. Os destaques do Leão foram o zagueiro Emerson, que começa a disputa como artilheiro, e o meia Caio. O defensor fez três gols, e o armador outros dois. Os catarinenses ocupam a primeira posição na tabela pelo bom saldo.

Na próxima rodada, Grêmio Prudente e Avaí vão enfrentar times mineiros. No sábado, os paulistas recebem o Atlético-MG, no Prudentão, em Presidente Prudente. No domingo, os catarinenses visitam o Cruzeiro, no Mineirão. As duas partidas serão às 18h30m (de Brasília).

Grupos diferentes, técnicos diferentes e, no caso de um deles, até nome diferente. Depois de aprontarem no Brasileirão do ano passado, Avaí e Grêmio Prudente, antigo Grêmio Barueri, começaram a nova edição do Nacional dispostos a mostrar que os bons resultados da última temporada, quando se classificaram para a Copa Sul-Americana, não foram obra do acaso. Num jogo como este, não seria possível imaginar nada diferente do equilíbrio, tônica da primeira etapa.

Na Ressacada, o Leão não costuma receber bem os adversários. O time vai para o combate. É aquela velha tática da intimidação. Tem de chegar e mostrar quem manda no pedaço. Começou bem cedo, aos nove minutos. Primeiro, Davi bateu falta da intermediária, e o goleiro Márcio espalmou para escanteio. Na cobrança, o zagueiro Emerson subiu bem para abrir o placar.

Sem dar tempo ao desânimo, o Prudente, do técnico Toninho Cecílio, foi buscar a igualdade. Precisou de duas chances. Aos 14, Henrique Dias chutou rasteiro da entrada da área, e Zé Carlos teve de fazer um esforço danado para saltar no cantinho e defender. Pouco depois, aos 25, Willian aproveitou lavantamento, se enroscou com os zagueiros e cabeceou: 1 a 1.

Catarinenses e paulistas se concentraram no meio-campo. Virou um jogo truncado, com pouquíssimas ações pelas pontas e um punhado de erros de passe. Os chutes de longe viraram a melhor alternativa. Caio foi quem chegou mais perto do gol, aos 30. Depois de dar um lindo drible de corpo no marcador, bateu forte. A bola ganhou efeito, o goleiro Márcio desviou, e ela ainda tocou na trave.

Quando conseguiu articular uma jogada, o Leão foi perigoso. Aos 36, Roberto foi lançado e disparou na direção do gol. O camisa 9 acabou atropelado pelo zagueiro Paulão quase na linha da grande área. O árbitro Djalma José Beltrami aplicou cartão vermelho direto. Não foi uma falta violenta, mas o atacante ficaria na cara de Márcio. Na cobrança, o goleiro Zé Carlos, inspirado no são-paulino Rogério Ceni, errou o alvo.

A vantagem numérica fez o Avaí pressionar. A situação do Prudente ficaria ainda mais difícil. Aos 44, Davi cobrou falta para área, o goleiro Márcio fez a defesa parcial com com o pé, mas a bola bateu no peito de Rafael e sobrou para o zagueiro Emerson fazer mais um: 2 a 1. Logo depois, o meia Carlos Eduardo puxou um adversário, recebeu o segundo cartão amarelo e, obviamente, o vermelho. O primeiro tempo terminava com o Prudente em prejuízo no placar e no número de jogadores, com dois expulsos.

Com isso, o Avaí tinha a obrigação de sufocar o Prudente. O torcedor que foi à Ressacada cobrava essa postura. O time de Péricles Chamusca entendeu e não demorou a ampliar a vantagem no placar. O atacante Roberto se encarregou e caprichou. Aos sete minutos, ele teve espaço para dominar a bola na entrada da área, olhar para o alvo e disparar. Bola no ângulo do goleiro Márcio: 3 a 1. No minuto seguinte, Roberto apareceu mais uma vez. Ele recebeu na área e bateu cruzado. Davi entrou de carrinho para completar, mas chegou atrasado.

O técnico Toninho Cecílio viveu uma jornada complicada. Além de ter dois a menos, perdeu o atacante Willian, machucado. Na reposição, colocou o volante Sasha para evitar um estrago maior. Chamusca respondeu e foi ofensivo. Ele tirou o zagueiro Emerson Nunes e lançou mais um atacante: Cristian.

Depois do quarto gol do Avaí, o jogo poderia ter parado. Foi tão bonito que merecia ser o desfecho da noite de futebol em Florianópolis. Aos 19 minutos, o meia Caio recebeu passe na área, pelo lado direito, cortou para o pé esquerdo e colocou a bola no ângulo de Márcio. Ela viajou mansa, sem pressa, à espera do encontro com a rede: 4 a 1.

Já que o confronto não parou, Caio fez mais um. Aos 27, ele recebeu passe na entrada da área, dominou e bateu forte para fazer o quinto. Detalhe: antes de a bola chegar no meia, o árbitro fez o corta-luz que deixou o lance ainda mais bonito. Aos 44, Emerson, artilheiro da noite, marcou o terceiro dele. Após cobrança curta de escanteio, Roberto bateu para o meio da pequena área, e o zagueiro desviou de calcanhar, pedindo a já tradicional música no Fantástico e encerrando a goleada em 6 a 1.

veja também