MENU

Belletti discorda de Neymar sobre a Europa: Se fosse eu, já teria ido

Belletti discorda de Neymar sobre a Europa: Se fosse eu, já teria ido

Atualizado: Segunda-feira, 19 Setembro de 2011 as 1

Belletti acha que Neymar deveria sair do Brasil

(Foto: Luna Vale / SporTV.com)

  Campeão mundial, europeu, espanhol, inglês, brasileiro, mineiro, paulista... No Brasil ou no exterior, a lista de títulos de Belletti é de fazer inveja a qualquer jogador. Hoje aposentado, ele elogia a torcida europeia e afirma que Neymar deveria aproveitar a oportunidade de sair do país. Experiência não falta para falar sobre o assunto. Afinal, foram oito anos defendendo clubes europeus.

- Se eu fosse o Neymar, eu já tinha ido. Ano que vem tem o Paulista, se ele joga mal uma partida, o pessoal vai pegar no pé. Ele ainda é muito novo, é uma decisão difícil de se tomar. Mas lá você aproveita muito mais a carreira como um todo, dentro e fora de campo. Tudo é bom. Em três anos de Chelsea, eu nunca ouvi uma vaia no estádio -  afirma em entrevista ao SPORTV.COM após participar do programa " Tá na Área ".

Belletti conta que a torcida lá fora é tão apaixonada quanto a brasileira, mas respeita muito mais os jogadores, não expressando muito as emoções. Durante a conversa, ele cita várias vezes o fato de nunca ter sido vaiado em um estádio. A não ser pela torcida adversária. O ex-jogador elege os fãs do Celtic, da Escócia, e do Stoke City, da Inglaterra, como os mais fanáticos, "capazes de deixar quase surdo".

- Você vai pegar a bola para bater o escanteio e tem um torcedor praticamente do seu lado. O máximo que ele faz é tirar uma foto. Se algum tentar só chamar o técnico, aparecem três seguranças para colocar para fora - lembra.

Além disso, segundo o ex-lateral-direito, a torcida respeita o jogador fora de campo. Em 2009, o Chelsea foi eliminado na semifinal da Liga dos Campeões após empatar o segundo jogo em casa com o Barcelona. Mas isso não impediu que os jogadores do time inglês saissem a pé para jantar, após a partida, em um restaurante em frente ao estádio. Belletti conta que os torcedores passavam por eles lamentando a eliminação, mas dando os parabéns pelo jogo.

Segundo o paranaense, a diferença é que lá os donos dos clubes mandam nos times e não precisam dar satisfações para a imprensa ou para o torcedor o tempo todo. Na Europa, os jogadores concedem entrevistas coletivas apenas em dias marcados, e dificilmente depois de uma derrota, para não piorar o ambiente, diz. Belletti lembra ainda que, enquanto jogava pelo clube inglês, nunca deu uma entrevista que não fosse para a TV oficial do clube. Após os jogos da Liga dos Campeões, os jogadores são obrigados a passar pela zona mista, mas só para quem quer.

- Só o treinador dá entrevista no Chelsea e um dia antes do jogo, mais nada. Se você não para, não da entrevista, ninguém ouve a sua voz. Igual o Conca no Fluminense. O que ele fez lá, é o que acontece na Europa - compara.

Estudos para recuperar o tempo perdido

Após quase 20 anos de carreira, o ex-jogador que conquistou o mundo se rendeu às dores no tendão de Aquiles e anunciou a aposentadoria. Hoje, ele afirma que está aproveitando o tempo livre para curtir os três filhos, Dianlucca, de seis anos, Patrick, de quatro, e Joshua, de dois anos, e para estudar. Matriculado em um curso de gestão e administração, Belletti ainda não faz planos para o futuro, mas corre atrás do estudo que não teve enquanto era jogador.

- Estou aprendendo inglês, castelhano, que já aprendi um pouco antes. Futebol é minha paixão. Gostaria muito de permanecer no esporte, mas tem que ir com calma. Primeiro exercer o papel de pai. Aproveitar esse tempo pra ficar mais com as crianças. O importante é adquirir conhecimento para estar preparado para quando a chance aparecer - encerra.            

veja também