MENU

Borges a caminho de se tornar o 11º santista artilheiro de Brasileirão

Borges a caminho de se tornar o 11º santista artilheiro de Brasileirão

Atualizado: Sexta-feira, 2 Setembro de 2011 as 10:23

Se mantiver o ritmo atual, o atacante Borges se tornará o 11º santista artilheiro do Campeonato Brasileiro, considerando a unificação de títulos nacionais ratificada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) no ano passado. Com os dois gols que marcou no empate por 3 a 3 com o Internacional, quarta-feira passada, no Beira-Rio, em Porto Alegre, o camisa 9 do Peixe chegou a 14 e lidera a lista de goleadores da competição.

Borges festeja gol contra o Inter. Cena 14 vezes repetida no Brasileiro 

(Foto: Wesley Santos/Agência Estado)

  Borges pode confirmar uma tendência que já é histórica. O Peixe é o time com mais artilheiros de Brasileiro. São dez até o momento. Cinco da Taça Brasil (que desde 2010 conta como Brasileiro) - Pelé (três vezes), Coutinho e Toninho Guerreiro - e os outros cinco do “atual” Brasileirão (disputado desde 71) - Serginho Chulapa, Paulinho McLaren, Guga, Viola e Kléber Pereira.   O Rei do Futebol foi goleador em 1961 (sete gols), 63 (oito) e 64 (sete). Coutinho fez sete em 62. Toninho Guerreiro, dez em 66. A Taça Brasil era disputada no formato de copa. Por isso, eram poucos jogos. Em 63, por exemplo, Pelé fez seus oito gols em apenas quatro partidas. Já Chulapa marcou 22 em 1983. McLaren, 15 gols em 91. Guga, 14 no Brasileirão 93. Em 98, Viola marcou 21, assim como Kléber Pereira, em 2008.

Antes da unificação, o Vasco era o time com mais artilheiros: oito. Todos desde 1971: Romário, três vezes (2005, 2001 e 2000), Edmundo (1997), Bebeto (92), Roberto Dinamite (84 e 74), Paulinho (78).

Para marcar seus 14 gols, Borges precisou de 17 jogos, média de 0,82 gol/jogo. Já é um dos artilheiros santistas no ano. Neymar e Elano também têm 14 gols. O primeiro, porém, disputou 33 partidas. O segundo, 36.

- É o que eu venho falando desde que ele chegou. O Borges tem o cheiro do gol - afirma o técnico Muricy Ramalho.

O goleador, porém, garante que sua prioridade não é a artilharia, nem recordes pessoais. Ele afirma que não entra em campo perseguindo o posto de goleador máximo do campeonato. Diz que isso é “apenas uma consequência".

- Eu busco ajudar a minha equipe a conquistar títulos. Para mim, os títulos individuais são secundários. Para mim, o que importa são as vitórias, independentemente se vou marcar ou não.          

veja também