MENU

Brasil fecha Parapan na liderança do quadro e vai com moral a Londres

Brasil fecha Parapan na liderança do quadro e vai com moral a Londres

Atualizado: Segunda-feira, 21 Novembro de 2011 as 12:06

O recorde não veio, mas a quantidade foi substituída pela qualidade. Segundo a avaliação do presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), Andrews Parsons, e do chefe de missão Edilson Tubiba, as conquistas verde e amarelas nos Jogos Parapan-Americanos de 2011 foram a prova da evolução do esporte paraolímpico rumo a um resultado expressivo nas Paraolimpíadas de Londres. Apesar do número absoluto de medalhas e ouros ter sido inferior ao do Parapan do Rio, a dupla apresentou dados percentuais para mostrar que o aproveitamento foi superior. O fato é que, em Guadalajara, o Brasil encerrou, pela primeira vez longe de casa, uma competição multidesportiva em primeiro lugar.

Delegação brasileira na festa de encerramento do Parapan (Foto: Bruno de Lima / FOTOCOM.NET / CPB) Ao todo, foram conquistadas 197 medalhas (81 ouros, 61 pratas e 55 bronzes) em Guadalajara. Proporcionalmente, o número de vezes em que o Brasil saiu vitorioso foi maior do que no Rio de Janeiro. Em 2007, os 83 ouros faziam parte de um total de 228 medalhas. Os Estados Unidos e o México foram o segundo e terceiro colocados, respectivamente.

- Pela primeira vez saimos por cima em uma competição de altissimo nível fora de casa, deixando EUA e México bem para trás. Das 13 modalidades do programa, nós só não medalhamos no tirco com arco, que estreou aqui, e fomos ouro em nove esportes, sendo primeiro colocado geral em seis. O Parapan era o principal evento do ano e peça chave na preparação para Londres. Dos quatro objetivos estabelecidos no início da nossa gestão (1º lugar no Parapan de Guadalajara, 7º nas Paraolimpíadas de Londres, 1º no Parapan de Toronto e 5º nas Paraolimpíadas do Rio), já atingimos o primeiro com sobras. Foi um trabalho muito bem feito, e cumprimos nossa missão – disse Parsons.

Presidente do CPB, Andrew Parsons diz que Brasil

compriu a missão no México (Foto: FOTOCOM) Com os bons resultados obtidos por jovens valores em diversos esportes, Tubiba fez questão de ressaltar o planejamento a longo prazo do Comitê, com foco na renovação das delegações. Atletas como Vanilton Filho, Talisson Glock e Caio de Oliveira, da natação, Thierb Siqueira e Marivana Olveira, do atletismo, e Natalia Mayara, do tênis em cadeira de rodas, foram alguns dos citados como exemplo da nova geração.

- Investimos seis meses no início da gestão no planejamento. Pesquisamos o mundo inteiro, fizemos reuniões, vimos onde tinhamos condições de buscar medalhas mais rápido e investimos em jovens. Até pouco tempo usávamos um criterio subjetivo para chamar os jovens. Hoje todos conseguiram vaga através de um critério técnico, e eles provaram o merecimento ao conquistarem medalhas. No Rio, com delegação total maior, tínhamos 33 atletas com idade inferior a 21 anos. Aqui temos 45. Em 2016, eles vão chegar com 25, 26 anos. Temos uma equipe muito jovem e já com um bom resultado técnico.

Os carros-chefes

A natação foi o esporte que mais arrebatou medalhas: foram 85, sendo 33 de ouro. Daniel Dias se consagrou como principal nome das piscinas e subiu 11 vezes no topo do pódio, quatro delas em revezamentos. André Brasil conquistou seis ouros, e três jovens rapazes mostraram que podem dar continuidade ao legado dos ídolos. Vanilton Filho, Talisson Glock e Caio de Oliveira, caçulas da delegação, venceram pelo menos uma prova em suas respectivas classes. No feminino, Joana Neves, a Joaninha, ganhou quatro medalhas de ouro e se colocou como um dos principais nomes da modalidade ao lado de Edênia Garcia.

Daniel Dias posa com as 11 medalhas de ouro que ganhou no Parapan (Foto: Márcio Rodrigues / Fotocom) O atletismo conquistou dois ouros a mais do que no Rio de Janeiro (27 a 25) com direito a recordes mundiais de Daniel Silva nos 400m da classe T11 e de Yohansson Ferreira, nos 200m da T45. Terezinha Guilhermina e Lucas Prado foram os cegos mais rápidos nos 100m, e Rosinha Santos voltou à seleção em grande estilo, com o bronze no lançamento de peso e o ouro no lançamento de disco. Thierb Siqueira e Marivana Oliveira foram destaque entre os novos valores.

Daniel Silva desfila com a bandeira do Brasil após

bater recorde mundial no Parapan(Foto: FOTOCOM) No tênis de mesa, a seleção encheu a sacola. Foram 12 medalhas de ouro - sendo três femininas e três por equipes-, seis de prata e seis de bronze. Jane Karla, vencedora na classe 7-9, ainda foi escolhida para ser a porta-bandeira do Brasil na cerimônia de encerramento.

As decepções

Enquanto as meninas do basquete em cadeira de rodas superaram o México, levaram o bronze e a vaga para os Jogos de Londres, o time masculino foi derrotado por Argentina, Estados Unidos e México. Com apenas a quinta colocação geral, não poderá disputar as Paraolimpíadas.

O tênis em cadeira de rodas, que no Rio levou dois ouros no masculino – duplas e com Mauricio Pomme no individual – e uma prata com a dupla feminina, conquistou apenas a medalha de bronze com Pomme e Carlos Alberto dos Santos, mais conhecido como Jordan, nas duplas.

Superação

Jady Martins começou a pedalar no início de 2011 e, com alguns meses de treino, conseguiu ser convocada para o primeiro Parapan da carreira. Em Guadalajara, no ciclismo de estrada misto, a paranaense teve um pneu furado, mas voltou para a disputa. Quando terminou a prova não tinha ideia do próprio feito. Com o resultado confirmado pelos organizadores, viu que tinha levado a medalha de prata.

No vôlei sentado, o Brasil estreou com derrota para os Estados Unidos no tiebreak. Na decisão, a equipe brasileira deu a volta por cima e se vingou dos algozes da primeira fase com estilo. A vitória por 3 sets a 1, de virada, teve passeio verde e amarelo nas duas últimas parciais.

Após perder para os EUA na estreia, Brasil dá o troco na final (Foto: Helena Rebello/Globoesporte.com)          

veja também