MENU

Brasil não admite entregar jogo, mas pode poupar elenco contra Bulgária

Brasil não admite entregar jogo, mas pode poupar elenco contra Bulgária

Atualizado: Sexta-feira, 1 Outubro de 2010 as 7:49

Após a vitória categórica sobre a Polônia nesta quinta-feira, a seleção brasileira será uma espectadora de luxo na sexta. Se a Bulgária vencer os poloneses, a equipe de Bernardinho entra em quadra no sábado já classificada, para disputar o primeiro lugar do grupo N no Mundial da Itália. Terminar a segunda fase no topo da chave, contudo, pode significar encontros com Cuba e Rússia na próxima etapa. O segundo colocado deve enfrentar Alemanha e República Tcheca, rivais teoricamente mais fracos. Os brasileiros não admitem entregar o jogo, mas reconhecem que alguns atletas podem ser poupados.

- A gente sempre decidiu as coisas em grupo. Se o regulamento permite, vamos jogar de acordo com o regulamento. Não é entregar, é poupar. Até porque, na minha opinião, entregar um jogo não é a melhor maneira de vencer um campeonato – argumentou o ponteiro Murilo.

Bruninho concorda com o companheiro de time.

- Se a gente estiver classificado no sábado, tem que pensar em descansar. Não é entregar, mas descansar. Poupar alguns jogadores, pensar na condição física da equipe mais para frente. É importante chegar bem na terceira fase – afirmou o único levantador do elenco. Marlon, com um problema no intestino, ainda aguarda o resultado de um exame para saber se poderá atuar.

Rodrigão lembrou que, se a seleção já estiver classificada, não precisa estar 100%.

- Dependendo do que acontecer entre Polônia e Bulgária, se a gente puder poupar, a gente tem que fazer isso. Não sei qual grupo vamos pegar, mas não precisamos jogar 100% em uma partida que não vale nada - analisou o meio de rede.

Caso a Polônia saia vencedora do confronto de sexta, os búlgaros entram no sábado com a obrigação de superar o Brasil, que pode até mesmo perder e garantir a classificação. No critério de desempate, o ponto average (divisão dos pontos ganhos pelos perdidos), dificilmente a seleção brasileira ficará sem uma das duas vagas.

veja também