MENU

Brasileiros dominam a Maratona Caixa da Cidade do Rio de Janeiro numa manhã de festa na orla carioca

Brasileiros dominam a Maratona Caixa da Cidade do Rio de Janeiro numa manhã de festa na orla carioca

Atualizado: Quarta-feira, 2 Julho de 2008 as 12

Brasileiros dominam a Maratona Caixa da Cidade do Rio de Janeiro numa manhã de festa na orla carioca

Quase 14 mil pessoas participaram das provas que tiveram como destaque o clima alegre e as vitórias de Domingos da Silva e Marizete dos Santos

 

A Cidade Maravilhosa esteve ainda mais maravilhosa neste domingo, 29 de junho, na grande festa que foi a Maratona Caixa da Cidade do Rio de Janeiro. Num dia lindo, quase 14 mil corredores coloriram a orla da cidade, nas três provas do programa: Maratona, com largada no Recreio dos Bandeirantes, Meia-Maratona, da Praia do Pepê, na Barra, e Family Run, de seis quilômetros, no Aterro do Flamengo, onde foi a chegada de todas elas. Os cariocas foram para as ruas levar o incentivo aos corredores e puderam aproveitar ainda o som de Djs e bandas ao vivo espalhadas pelo percurso. Não faltou gente fantasiada, correndo com a companhia de um galo e até "um presidente Lula" cruzou a linha de chegada. Na entrega de prêmios, mas irreverência do carioca, ao gritar "Volta Parreira! Volta Parreira", após a subida ao pódio do técnico do tetra e sócio da Dream Factory Sports, empresa que juntamente com a Spiridon organiza a prova.

Apesar do clima de festa, com a presença de personalidades da TV e de vários segmentos da sociedade, tanto na pista quando na área vip, coroado com o show de Toni Garrido no final, as disputas pelos títulos foram muito disputadas. Na Maratona, vitória de Domingos Nonato da Silva (2h17min20) e Marizete Moreira dos Santos (2h39min09). Na Meia-Maratona, Luis Paulo da Silva (1h04min08) foi o vencedor, com Simone Alves da Silva (1h19min15) ficando na primeira colocação entre as mulheres. Na festiva, mas também disputada Family Run (6km), Marcio Souza (18min11) faturou a prova entre os homens, enquanto Ana Cristina Pimenta (22min31) subiu no lugar mais alto do pódio.

A Family Run foi uma verdadeira festa, reunindo personalidades como os atores Kayky Brito, Anderson Miller e Carol Machado, o jogador de vôlei Tande e sua esposa Lizandra Souto, as apresentadoras Leilane Neubart e Carolina Barcellos, além dos padrinhos da prova Zequinha Barbosa e Rosa Mota.

"Foi tudo perfeito e o Rio deu mais uma prova de sua capacidade para fazer grandes eventos, grande festas. A cada ano que passa a Maratona fica melhor. Tenho de dizer muito obrigado ao povo carioca, aos corredores e também aos turistas que vieram passar um fim de semana no rio e correram. Tivemos mais de mil estrangeiros, um novo recorde também. Conseguimos reunir um grupo de elite forte de corredores e entretenimento. Não poderia deixar de agradecer à Prefeitura e ao Governo do Estado pelo apoio, assim como aos nossos patrocinadores. Ano que vem esperamos uma prova ainda melhor", disse Marcus Vinícius Freire, da Dream Factory Sports, que tem ainda o técnico Bernardinho entre seus sócios.

A maratona deixou grande expectativa até o final. Só foi decidida no último quilômetro da prova. Os primeiros trechos foram equilibrados, com destaque para Ivanildo Pereira dos Anjos, que abriu larga distância a partir do km 14 e liderou até a subida da Avenida Niemeyer, em São Conrado, pouco depois da metade da prova. Ali, o segundo pelotão o alcançou e Domingo Nonato da Silva, que mais tarde seria o campeão, apareceu pela primeira vez entre o grupo de frente.

Quem optou por curtir o domingo de sol na Praia de Copacabana teve sorte, pois pôde assistir a um duelo particular entre os líderes. A quatro quilômetros do final, Domingos Nonato e Eliésio Oliveira, que administrou posição no pelotão de liderança durante toda a prova e era o único da elite a usar boné, se distanciaram dos outros competidores. No último quilômetro, Eliésio alcançou Domingos, mas o campeão guardou oxigênio para um sprint final e cruzou o pórtico de chegada com cerca de 100 metros de vantagem.

"Foi uma prova muito boa de correr, mas não foi nada fácil. A torcida me ajudou bastante, me hidratei bem e consegui vencer. Eu esperava fazer uma boa maratona aqui no Rio, mas vencer foi uma surpresa para mim", afirmou Domingos.

Eliésio teve problemas na reta final da prova.

"A prova estava legal, mas no quilômetro 36 comecei a sentir muitas dores no abdômen, o que me prejudicou um pouco. Queria o primeiro lugar, mas hoje não deu. Fico contente assim mesmo. A Maratona tem um percurso ótimo, mas ao mesmo tempo engandor, por causa do horário. Você larga cedo, com uma temperatura, e a chegada o tempo já está diferente, com o sol aberto. O clima estava muito bom para correr", disse.

Mauro Teixeira, de 31 anos, terceiro colocado ressaltou o clima favorável deste domingo no Rio de Janeiro:

"Há dois anos participo desta maratona e graças a Deus consegui uma boa colocação neste ano. A temperatura estava muito agradável, porque não estava nem tão quente, nem tão frio. O tempo ajudou e a paisagem também é maravilhosa."

No feminino, vitória sem sustos de Marizete Moreira dos Santos. A atleta de 33 anos chegou com boa vantagem de Edielza Guimarães, cruzando a linha de chegada dois minutos a frente da adversária.

"Hoje foi o meu dia. Estava tudo lindo e maravilhoso e a corrida foi excelente, foi tudo perfeito. Saí na frente, meu treinador pediu para eu ir para cima com tudo, e fiz o que ele pediu. Moro em Brasília e lá o clima é muito seco. Quando chego para correr no Rio de Janeiro é uma alegria só. A gente consegue respirar mais fácil. É ótimo correr aqui.", afirmou.

Edielza Guimarães destacou as belezas da Cidade Maravilhosa.

"Esta é uma prova totalmente plana, mas estava um pouco quente a temperatura. É muito bom correr aqui, com uma vista linda a beira-mar e o público incentivando muito todos os atletas.", contou.

Terceira colocada, Ilaine Wandscheer ficou feliz com o desempenho da prova, já que voltava de uma lesão:

 "Considero um resultado muito bom, porque acabo de voltar de um problema na coluna, então fiquei 20 dias sem treinar e só consegui correr ontem à noite. Meu objetivo era ficar pelo menos entre as cinco primeiras"

Já na Meia-Maratona, o queniano Willy Kimutai liderou a prova até o quilômetro 18, quando foi ultrapassado por Luis Paulo Antunes e não teve forças para acompanhar o brasileiro. Os dois travaram até esse momento da prova uma disputa impressionante, quase que ombro a ombro, desde a descida da Av Niemeyer, incomodados de perto pelo também queniano Mutai Kiprop até o 14º quilômetro.

Numa arrancada no quilômetro final da Meia-Maratona, Luis Paulo definiu sua vitória, abrindo quase 60 metros, e faturando o bicampeonato.

"A prova foi boa e rápida. Estou feliz com o bicampeonato aqui na Maratona do Rio. Agradeço ao Cruzeiro e se Deus quiser no próximo ano estarei aqui de novo. O começo da prova foi o mais difícil, porque você tem que entrar no ritmo. Depois é só ter força para manter o ritmo e chegar bem no final da corrida", disse Luis Paulo.

Com a derrota no quilômetro final, Willy Kimutai não conseguiu esconder a frustração, mas elogiou as belezas do Rio de Janeiro.

"Gostei muito da corrida, mas esperava vencer a prova. Tudo bem, não foi dessa vez. É a primeira vez que corro no Brasil e o visual desta prova é muito bonito", disse.

Em terceiro lugar, Cosme Ancelmo, da tradicional equipe Pé de Vento, elogiou a idéia de realizar a largada da Meia-Maratona 30 minutos mais cedo que a da Maratona.

"O percurso é ótimo e o horário de largada foi melhor ainda. O tempo abriu e a corrida se tornou muito boa. Estou parado há duas semanas, mas mesmo assim gostei do meu desempenho", disse.

No feminino, a disputa também foi apertada. Com apenas um minuto Simone Alves da Silva venceu a queniana Salina Jebet, que atravessou a linha de chegada com uma vantagem de 44 segundos.

 "É a primeira vez que corro aqui no Rio. Graças a Deus fiz uma boa prova e consegui vencer. Esperava estar entre as cinco primeiras, mas acabei vencendo a prova e agora é só alegria. O clima é muito bom, até parece com a minha terra, a Bahia.", contou.

E por incrível que pareça, o sol foi adversário para um africano. Salina Jebet, de 21 anos, sentiu o calor carioca.

 "Gostei muito da prova, mas o sol estava muito quente. Tive um pouco de dificuldades no final, mas ainda consegui chegar em segundo."

Já a veterana Selma Reis, de 40 anos, destacou a estrutura da Maratona Caixa da Cidade do Rio de Janeiro:

"Estou muito feliz por estar competindo com essas meninas de 20 anos e ainda estar dando trabalho para elas. Pretendo correr mais 20 anos ainda. O evento está de parabéns. Esta prova é um encontro marcado comigo, podem sempre contar com a minha presença. Neste evento, todo mundo tem opção, não tem desculpa. Você pode correr a Maratona e enfrentar 42km ou, se preferir um pouco menos, participar da Meia (21km). Se não quiser nenhuma das duas, ainda tem a Family Run para toda a família."

veja também