MENU

Carrasca do Brasil, Wambach marca e leva EUA à final da Copa do Mundo

Carrasca do Brasil, Wambach marca e leva EUA à final da Copa do Mundo

Atualizado: Quarta-feira, 13 Julho de 2011 as 2:58

Cheney abriu o caminho para a vitória, ainda no

início do primeiro tempo (Foto: Reuters)

  Novamente, os Estados Unidos fizeram seus torcedores ficarem com os corações nas mãos. Mas, assim como nas quartas de final contra o Brasil, as americanas superaram a França, por 3 a 1, na semifinal desta quarta-feira, em Mönchengladbach, e estão na decisão da Copa do Mundo Feminina de Futebol. Com gols de Cheney, Wambach (que marcou o fatídico gol contra a Seleção Brasileira no finalzinho da prorrogação) e um golaço da bela Alex Morgan, os EUA carimbaram passaporte para a grande final, assim como em 1991 e 1999. E as americanas tem 100% de aproveitamento em finais: em ambas saíram campeãs. A adversária, desta vez, sai do duelo entre o surpreendente Japão e a Suécia.

Quem assistiu ao jogo entre Estados Unidos e Brasil sabe as forças das americanas: velocidade e pressão nos primeiros minutos, bolas alçadas na área e confiança na goleira Hope Solo. E foi exatamente assim que as americanas conseguiram superar também a França. Logo aos oito minutos de jogo, Cheney recebeu belo cruzamento de Shanon Boxx e só desviou, de leve, na pequena área, matando a arqueira Sapowicz: 1 a 0.

As francesas, no entanto, não sentiram o gol e quase empataram aos 29, mas a musa Solo salvou bonito chute de fora da área de Nacib. A partida seguiu com os EUA levando perigo nos contra-ataques, porém, sendo pressionada pela França, que precisava do empate. E conseguiu, já no segundo tempo. Em menos de um minuto de jogo na etapa, Thiney já saiu na cara do gol, só que parou em Hope Solo novamente. Era um aviso.

Dois gols em três minutos decidem para os EUA

Aos 10 minutos, Bompastor cruzou para Thiney, a zaga americana falhou, a atacante francesa tentou tocar na bola, mas não conseguiu e, sem querer, acabou deixando Hope Solo vendida no lance. A bela goleira americana até pulou na direção da bola, mas não conseguiu evitar o empate. Com o gol, a França cresceu no jogo e passou a dominar a partida, buscando a virada. Então, foi quando brilhou a estrela da técnica Pia Sundhage. Ela colocou Rapinoe e Alex Morgan em campo e ambas mudaram o jogo.

Rapinoe passou a dominar o meio de campo, tanto defensiva quanto ofensivamente, sendo fundamental para sua equipe, que confirmou o favoritismo e reassumiu a vantagem no placar com a tradicional bola aérea. Cheney cobrou escanteio no "terceiro pau" e Wambach, carrascas brasileira, de cabeça, fez 2 a 1, aos 34. A festa era grande e ficou ainda maior três minutos depois, porque Alex Morgan recebeu na cara do gol e com um bonito toque de cobertura em Sapowicz, fechou o caixão francês: 3 a 1 e Estados Unidos na decisão.              

veja também