MENU

Cautela, catimba e malandragem: estratégias do Grêmio contra o León

Cautela, catimba e malandragem: estratégias do Grêmio contra o León

Atualizado: Terça-feira, 15 Março de 2011 as 3:50

No Estádio Olímpico o Grêmio passou muito trabalho para desestruturar o paredão defensivo do León de Huánuco. Com os peruanos distribuídos em compactas e recuadas duas linhas de quatro, no 4-4-2 inspirado nos clubes ingleses, o próximo adversário tricolor ocupou espaços e preocupou-se primeiro em marcar. Em dois lances de bola parada, André Lima e Borges marcaram os gols da vitória por 2 a 0.

Agora as duas equipes voltam a se enfrentar, desta vez no Peru. Será às 17h de quinta-feira (horário de Brasília), pela quarta rodada do Grupo 2 da Taça Libertadores.

Segundo os jogadores do Grêmio, é um bom momento para assumir estratégia semelhante. Para o meia Lúcio, chegou a hora de apelar à cautela e à catimba, da mesma forma que o León se comportou em Porto Alegre.

- Vamos procurar fazer um pouco parecido com o que eles fizeram no jogo aqui em Porto Alegre, mas com mais qualidade na saída de bola. É um jogo que pode nos deixar bem confortável em pontuação. Precisamos jogar com o regulamento debaixo do braço, bem cauteloso. Aqui eles vêm catimbando, precisamos fazer isso também - comparou, para depois completar:

- Eles vão jogar para a torcida, com muita motivação. Precisamos tirar proveito com o contra-ataque, a nossa bola parada está excelente. Vai ser um jogo bem estudado. Eles lá terão de sair para o jogo, diferentemente do que fizeram aqui.

Para Rodolfo, a "malandragem" será importante neste confronto.

- A questão da catimba até prevalesce em algumas equipes. Mas o quanto você conseguir o resultado, melhor. Quem joga dentro de casa dita o jogo. Vamos entrar com inteligência. É Libertadores. Temos de usar a malandragem.

O zagueiro do Grêmio lembrou ainda que em Libertadores não há espaço para espetáculos.

- Mais importante são as vitórias, independentemente da maneira como são conquistadas. Ninguém está aqui para dar show. Não podemos pecar, temos de errar pouco - finalizou.    

veja também