MENU

Ceará espanta crise e quebra invencibilidade do Palmeiras

Ceará espanta crise e quebra invencibilidade do Palmeiras

Atualizado: Domingo, 26 Junho de 2011 as 8:40

por Diego Ribeiro

Foram necessárias seis rodadas de Campeonato Brasileiro para a Carroça Desembestada sair do atoleiro e voltar a andar. Neste domingo, o Ceará reencontrou seu bom futebol dos tempos de Copa do Brasil e conseguiu a primeira vitória no Brasileirão - justo contra o Palmeiras, adversário que nunca havia batido em dez jogos na história do campeonato, e que vinha invicto. Os 2 a 0 para o Vozão, no Presidente Vargas, expõem algumas observações. O Ceará tem potencial para deixar a parte de baixo da tabela e pode, ao menos, lutar pela Sul-Americana. E o Palmeiras, apesar de toda a organização construída por Felipão, precisa aprender a jogar bem quando sai atrás no placar - esta foi apenas a quarta derrota em 2011.

A equipe alviverde permanece com 11 pontos e cai para o terceiro posto na classificação. Ficou claro que o time sentiu demais a falta de Luan, suspenso. Por mais que passe alguns jogos sem fazer gols ou impressionar, o camisa 21 é fundamental no sistema tático, fechando pelo lado esquerdo e protegendo ainda mais a defesa palmeirense. Sem ele, o Verdão sofreu com os ataques pelas pontas, levou o gol logo cedo, aos sete minutos, e se perdeu depois disso. Ninguém acertou muita coisa, nem mesmo o capitão Kleber. Até Marcos errou, ao quase soltar uma bola cruzada no pé do adversário.

saiba mais Veja como foi o Tempo Real da partida

A classificação e os jogos do Brasileirão

Do outro lado, o Ceará chegou aos sete pontos, ficou mais longe da zona da degola e ouviu da arquibancada os cânticos relativos à Carroça Desembestada, apelido carinhoso dado no início da temporada. Com a força da torcida, o técnico Vágner Mancini sobrevive no cargo depois das ameaças de demissão.

Na próxima rodada, o Ceará visita o Coritiba. A partida está marcada para quinta-feira, às19h30m, no Couto Pereira. No mesmo dia e horário, o Palmeiras recebe o Atlético-GO, no Canindé.

Washington, ex-Palmeiras, comemora o primeiro gol do Ceará (Foto: Cesar Greco / Agência Estado)   De novo, a bola aérea

Felipão sabia exatamente o que ia encontrar no Presidente Vargas. Por isso, escalou o volante Chico para reforçar o meio-campo e tentar neutralizar os laterais Boiadeiro e Vicente, que mais pareciam pontas. Do outro lado, Vágner Mancini fez uma formação “espelho” da do rival, com três volantes e três homens mais avançados. E foi o Vozão que se aproveitou melhor do esquema.

Sem a presença de Luan, suspenso, o Palmeiras viu Boiadeiro se aproveitar de uma avenida aberta pela direita do ataque cearense. Do outro lado, Vicente levou a melhor sobre Cicinho enquanto o camisa 2 esteve em campo - machucado, deu lugar a Patrik ainda no primeiro tempo. A torcida do Vozão, que parecia não vir em grande número, lotou o PV a poucos minutos do apito inicial, mesmo com o time em má fase. Dentro de campo, os donos da casa sentiram o apoio e deram um esforço extra.

Com um repertório variado, o Ceará chegou ao gol em uma jogada bem conhecida pelos alviverdes. Tem sido assim com esse Palmeiras: cada escanteio é um susto, uma chance real para o adversário. Desta vez foi o ex-palmeirense Washington - ironia do destino. Durante a semana, ele havia prometido um gol contra o Verdão e cumpriu logo aos sete minutos. O problema é crônico. A cada bola levantada, um confia demais no outro e ninguém vai para o lance, deixando o adversário livre para marcar.

Mas o Palmeiras não jogava mal. Na frente, Wellington Paulista se sentia mais à vontade atuando dentro da área - Kleber, para variar, buscou o jogo no meio-campo. Após o gol, as avenidas pelas laterais também foram controladas. No melhor momento em campo, quando não deixava o Ceará atacar, o time sofreu o segundo gol, com Thiago Humberto. Era a senha para a bronca de Felipão no vestiário.

Scolari leva as mãos ao rosto: Palmeiras sofreu mais um gol em escanteio (Foto: LC Moreira / Ag. Estado)   Resposta? Nem tanto

O técnico do Palmeiras tratou de corrigir o buraco deixado pelo lado esquerdo da defesa. Na vaga de Lincoln, Adriano fez funções semelhantes às de Luan e conseguiu tirar um pouco do ímpeto de Boiadeiro, um dos melhores em campo no Presidente Vargas. Além disso, o ataque ganhou um pouco mais de corpo. Natural que, perdendo o jogo, o Palmeiras saísse mais de seu campo de defesa.

E foi aí que o Ceará quase ampliou, só atacando na boa, aproveitando as falhas do Verdão. Thiago Humberto acertou a trave, Marcos fez defesas difíceis, e o time de Felipão foi perdendo a empolgação. A tentativa de incendiar o jogo com o garoto Vinícius não surtiu efeito - não era mesmo dia para o time alviverde.

A organização que faz o Palmeiras ser um dos times mais sólidos do país desapareceu. A partir dos 25 minutos, era Kleber na meia, Adriano recuado, Patrik dentro da área e Chico finalizando. Foi o camisa 3 que perdeu a melhor chance da equipe: sozinho e sem goleiro, ele isolou uma bola vinda da esquerda. Desse jeito, ficou difícil buscar um pontinho em Fortaleza. O Palmeiras - quem diria? - vai comemorar a volta de Luan na próxima rodada. E o Ceará busca, de ânimo renovado, seus melhores dias em 2011, no ritmo do "Ah, sai do meio, sai que a carroça tá sem freio".  

veja também