MENU

Chefe da RBR é contra a liberação do jogo de equipe na F-1 após polêmica

Chefe da RBR é contra a liberação do jogo de equipe na F-1 após polêmica

Atualizado: Sexta-feira, 30 Julho de 2010 as 1:22

Christian Horner, chefe da RBR, acha que as ordens de equipe têm de continuar banidas na Fórmula 1. O dirigente acha que o esporte fica melhor se os pilotos forem liberados para travar disputas entre eles. Para ele, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e as equipes deveriam estar falando sobre os benefícios da regra para a categoria.

- Acho que a regra foi trazida para a categoria por um motivo: para evitar a situação que aconteceu na Áustria em 2002 (quando Barrichello teve de deixar Schumacher passar na reta de chegada após ordem da Ferrari). A Fórmula 1 é um esporte coletivo, mas as regras são essas. A questão de Hockenheim é um problema entre FIA e Ferrari. Acho que temos de avançar, pode ser uma área a ser olhada. Mas acho que a modalidade esteve saudável nos últimos anos, quando os pilotos travaram disputas. Acho que isso tem de ser encorajado em vez de negado - diz Horner, em entrevista ao site da revista inglesa "Autosport".

Horner concorda que as ordens de equipe fizeram parte do automobilismo por anos. Mas ele acha vital relembrar que elas foram banidas após a controvérsia do GP da Áustria de 2002.

- As ordens de equipe existem desde a época em que John Surtees e Niki Lauda pilotaram uma Ferrari. O tempo de Michael Schumacher é outro. A diferença é que agora existe uma regra e esta é a questão discutida sobre Hockenheim. Certo ou errado, liberamos nossos pilotos para correr. Na Turquia pagamos o preço maior por isso, quando um deles abandonou e o outro conseguiu um resutado pior do que o esperado. Se as regras fossem outras, poderíamos ter tomado outra atitude, mas a filosofia da RBR é de liberar os pilotos, como Dietrich Mateschitz (dono do time) sempre diz.

veja também