MENU

Cicinho sobre novo parceiro Adriano: 'Ele está bem sossegado por aqui'

Cicinho sobre novo parceiro Adriano: 'Ele está bem sossegado por aqui'

Atualizado: Quinta-feira, 4 Novembro de 2010 as 3:49

Após uma rápida passagem pelo São Paulo durante o primeiro semestre, Cicinho voltou ao Roma no início desta temporada com o intuito de se firmar de vez na equipe de Claudio Ranieri. Logo em seu retorno, o lateral-direito precisou de um período para se readaptar e só agora começa a ganhar espaço. Outro brasileiro que fez o caminho parecido foi o ex-rubro-negro Adriano, que desembarcou na Velha Bota no meio do ano depois de defender as cores do Flamengo. Ex-Inter de Milão, o Imperador, no entanto, vem sofrendo com as lesões e ainda não conseguiu ter uma sequência de jogos desde que voltou à Europa.

Próximo a Adriano na capital italiana, Cicinho acredita que o compatriota está se sentindo bem no novo clube e não tem motivos para querer deixar o Roma nesse momento. O lateral-direito falou também que o novo companheiro está afastado das badalações e seu foco principal no momento é se recuperar de uma lesão no tornozelo a tempo de estar em campo no clássico contra o Lazio, no próximo fim de semana.

- Temos muito contato com o Adriano. Nós conversamos sempre, costumamos jantar e almoçar juntos. Ele veio para nos ajudar. As pessoas acham que ele precisa de ajuda, mas isso foi só um momento que ele passou. Surgiu uma notícia recente de que ele estava no Rio, na balada, enquanto ele estava aqui fazendo tratamento. Era tudo mentira que ele estava em boate. Ele ficou chateado com essas notícias, mas ele está bem sossegado por aqui.

Cicinho e Adriano têm em comum o fato de ainda não terem se firmado na equipe titular do Roma. O lateral, porém, vem conseguindo ganhar mais espaço nas últimas rodadas, enquanto o Imperador entrou em campo apenas duas vezes na temporada - na derrota diante do Brescia, pelo Calcio, e na vitória sobre o Cluj, na Liga dos Campeões - ambas em setembro.

O problema em conseguir espaço no time principal do atual vice-campeão italiano não é exclusivo da dupla, afinal outros brasileiros, como Doni, Júlio Baptista e Taddei, ainda não conseguiram emendar uma sequência de jogos. O ex-são-paulino, contudo, acha normal a situação e não vê perseguição por parte do treinador com os brasileiros do grupo.

- É uma opção do Ranieri. Temos que aceitar. Eu cheguei aqui no início da temporada e comecei a treinar em separado, assim como o Doni e o Julio Baptista. A partir do momento que ele precisou, nós entramos em campo. Todos estão falando bem da gente. Temos que estar preparados. Ele gosta de jogador que corre. Se não correr, ele deixa fora.

Reação no campeonato

Apesar de um início irregular, o Roma vem crescendo e já soma três jogos de invencibilidade no Campeonato Italiano, sendo duas vitórias e um empate. Além disso, venceu o Basel fora de casa nesta quarta, na Liga dos Campeões, saltando da lanterna para a vice-liderança do Grupo E. A reação já deixa o clube mais motivado para o próximo compromisso, contra o rival Lazio, que lidera o Calcio.

Com cinco jogos disputados desde que voltou à capital italiana, Cicinho acha normal esse tipo de tropeço e deu o exemplo da última temporada, quando a sua equipe largou mal, mas, após uma sequência positiva, entrou na briga pelo título e acabou terminando na segunda colocação.

- Isso é normal. Mesmo assim, o Roma sempre tem brigado por títulos. Apesar de eu não ter jogado o segundo turno na temporada passada, a equipe conseguiu uma série de vitórias seguidas e entrou na briga do título. Muita gente colocou o problema na preparação, mas não tem nada disso. O time está adquirindo a identidade e pouco a pouco a gente chega lá. Todo time grande passa por isso.

Cicinho participou até agora de cinco jogos na temporada - quatro no Calcio e um na Liga. Após fazer sua reestreia no dia 22 de setembro, na derrota por 2 a 1 frente ao Brescia, participou ainda do réves diante do Napoli, do empate contra o Parma e das vitórias sobre Lecce e Cluj - esta última pelo torneio intercontinental.

Por: Lucas Loos

veja também