MENU

Cielo não bate Popov, mas faz seu melhor tempo sem supermaiô

Cielo não bate Popov, mas faz seu melhor tempo sem supermaiô

Atualizado: Quinta-feira, 6 Maio de 2010 as 10

Em sua primeira final individual no Brasil desde a quebra do recorde mundial em dezembro de 2009, Cesar Cielo venceu a prova dos 50m livre do Troféu Maria Lenk, nesta quarta-feira. Ele não conseguiu superar o russo Alexander Popov, hegemônico na era anterior aos trajes tecnológicos, mas fez em Santos seu melhor tempo na distância sem o supermaiô.

O atleta do Flamengo conquistou a medalha de ouro com a marca de 21s80. A segunda colocação ficou com Bruno Fratus, que registrou o tempo de 22s30. Já Nicholas Santos cravou 22s77 e completou o pódio do evento realizado no litoral paulista.

Na temporada de 2000, Alexander Popov estabeleceu a marca de 21s64 nos 50m livre. O tempo foi superado apenas em 2008 pelo australiano Eamon Sullivan, trajado com os maiôs tecnológicos proibidos nesta temporada. A meta de Cielo, que também detém a melhor marca nos 100m livre, é superar o tempo do lendário nadador russo.

Mesmo sem bater Popov, Cielo mostrou sinais de evolução, já que o tempo de 21s80 é o seu melhor nos 50m livre desde a proibição dos maiôs tecnológicos. De quebra, ele se aproximou dos 21s71 estabelecidos pelo francês Fred Bousquet, dono da melhor marca de 2010.

Cielo ficou bastante contente como resultado que obteve, desta vez utilizando bermuda. ''Foi o meu melhor tempo com esse traje. Estou cansado, pesado e mesmo assim fiquei a apenas 9 centésimos do Bousquet (Frederic Bousquet, que fez 21s77 no Campeonato Francês, melhor marca do ano), que já competiu polido, raspado'', comentou o atleta do Flamengo.

Para o nadador de 23 anos, o desempenho durante as classificatórias até a final tem justificativa. Esta foi a primeira competição de Cesar no Brasil. ''Foi difícil nadar sem respirar'', explicou-se.

Confiante, o atleta projetou melhoras em um futuro não tão distante onde, imagina, poderá quebrar novos recordes. ''Vou descansar depois do Maria Lenk. Em agosto, no Pan-Pacífico, vai ser a hora de arrebentar, de deixar todo mundo para trás'', disse Cielo.

Ao bater na borda e ver o tempo que cravou na final dos 50m, Cesar fez um certo gesto com os dedos, cujo significado explicou logo ao deixar a piscina.

''Foi uma brincadeira que eu fiz com os companheiros do Flamengo e com o Marcão (Marco Veiga). Fizemos um bolão e apostamos um jantar sobre o tempo que eu faria. Acho que duas pessoas acertaram, a fisioterapeuta e o Ramom, que nadou o revezamento. Para mim, faltou pouco'', disse Cielo.

O nadador escreveu a marca de 21s55 num papelzinho na noite anterior à prova e mudou pela manhã antes de ir para a piscina para 21s76. ''Quase acertei, fiz 21s80. Bacana o pessoal estar confiando em mim. Vou continuar o meu trabalho'', comemorou o atleta, que tem um claro objetivo para a prova dos 100m, que começa a disputar na quinta-feira pela tarde. ''Queria fazer 48 segundos'', espera Cielo.

veja também