MENU

Com Adilson Batista nos camarotes, São Paulo vence o Inter

Com Adilson Batista nos camarotes, São Paulo vence o Inter

Atualizado: Domingo, 17 Julho de 2011 as 9:23

                                    Ao menos até a próxima quarta-feira, quando Flamengo e Palmeiras se enfrentam, os são-paulinos podem degustar a vice-liderança do Campeonato Brasileiro. No início da noite deste domingo, no Beira-Rio, o São Paulo venceu o Inter por 3 a 0, pela 10ª rodada.

Ainda no primeiro tempo, Casemiro e Fernandinho marcaram. Nos acréscimos da etapa final, Carlinhos Paraíba fechou a conta. Com o resultado, a equipe treinada pelo interino Milton Cruz sobe para 21 pontos, quatro abaixo do líder Corinthians, e chega à 2ª colocação - Adilson Batista, técnico recém-contratado, assistiu ao jogo no estádio.

Já o Inter permanece com 15 pontos, em 11 partidas disputadas, e caiu do sétimo para o oitavo lugar. É a terceira derrota consecutiva da equipe. Pela 11ª rodada, o Colorado voltará a jogar na próxima quinta-feira, dia 21 de julho, na Ressacada - contra o Avaí. No sábado seguinte, o São Paulo receberá o Atlético-GO, no Morumbi.     Casemiro abriu caminho para a boa vitória tricolor no Beira-Rio (Foto: Jefferson Bernardes / VIPCOMM)     De camarote

Os dois treinadores tiveram problemas para definir suas equipes. No Inter, Falcão não contou com Juan e Oscar, na Seleção Brasileira sub-20, e com o suspenso Zé Roberto. E, enquanto o recém-contratado Adilson Batista não toma a frente no São Paulo - ele assistiu ao jogo de um camarote -, o interino Milton Cruz ficou sem Marlos, que passou mal na concentração, além dos selecionáveis Lucas, Bruno Uvini, Willian José e Henrique.

Sob muito frio, acentuado pelo vento congelante egresso do Rio Guaíba, quatro jogadores tiveram coragem de entrar em campo vestindo camisas de mangas curtas: Índio e D'Alessandro pelo Inter, Rivaldo e Juan pelo São Paulo. Detalhe quase despercebido, assim como boa parte do primeiro tempo, afinal, os torcedores acompanhavam pelos rádios a derrota do Brasil, nos pênaltis, para o Paraguai.

- Dunga! Dunga! - gritaram os colorados, ironizando a eliminação brasileira.

Pouco depois, entretanto, Casemiro chamou de volta a atenção dos torcedores ao jogo em andamento. De cabeça, ele acordou o público e fez os muitos tricolores presentes no Beira-Rio ganharem um motivo a mais para trocar abraços, além da tentativa de espantar o frio. Comemoração que se repetiu quando Fernandinho marcou um golaço, 20 minutos depois.

Sempre superior

Abaixo de vaias, principalmente para Bolívar e Nei, os jogadores do Inter retornaram aos vestiários ainda digerindo em pensamentos os motivos para o mau desempenho no primeiro tempo. No 4-4-2 em losango, o São Paulo controlou o meio-campo frente às duas linhas coloradas.

  No segundo tempo, com Elton e Fabrício em lugar de Bolatti e Ricardo Goulart, Falcão tentou anular a supremacia são-paulina no setor. D'Alessandro saiu da faixa lateral ofensiva pela direita e foi centralizado. Mas o trio de volantes tricolores seguiu combatendo e articulando em vantagem.

Além de Rodrigo Souto, Casemiro e Wellington, o zagueiro Rhodolfo e o goleiro Rogério Ceni começaram a se destacar quando o Inter tentou iniciar uma pressão. Mantendo propriedade sobre o termostato da partida, regulando a temperatura conforme seu interesse, Milton Cruz lançou o estreante Cícero em lugar de Rivaldo para elevar em alguns graus os contra-ataques.

Com a derrota consumada, os torcedores mais uma vez protestaram nas arquibancadas.

- Ôôô, seja mais guerreiro! Tu é Inter, não é Grêmio - bradavam. Mas, aos 48, ainda houve tempo para Carlinhos Paraíba marcar.            

veja também