MENU

Com gol no fim, Guarani vence Atlético-PR e ultrapassa rival na tabela

Com gol no fim, Guarani vence Atlético-PR e ultrapassa rival na tabela

Atualizado: Segunda-feira, 13 Setembro de 2010 as 8:42

O jogo não foi dos melhores, mas para o Guarani deu tudo certo. Graças a Mazola. Melhor jogador em campo, o camisa 11 fez um gol e deu a vitória ao Bugre sobre o Atlético-PR: 1 a 0, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. O gol, aos 40 do segundo tempo, soou como castigo para o Furacão, que adotou postura defensiva durante os 90 minutos.

O resultado faz o Bugre subir três posições na tabela do campeonato. A sétima posição, com 29 pontos, deixa a equipe de Vágner Mancini muito bem colocada, podendo até sonhar com uma aproximação do G-4 nas próximas rodadas.

O Furacão, ao contrário, interrompe uma série de seis jogos sem derrota e permanece com 28 pontos, na oitava posição.

Pressão na assistente

Se dependesse do primeiro minuto, Guarani x Atlético-PR tinha tudo para ser um jogaço, daqueles com promessa de muitos gols e lances bonitos. Afinal, logo depois da saída de bola, o Bugre já armou uma jogada perigosa e quase abriu o placar. Após boa troca de passes, Márcio Careca cruzou na cabeça de Ricardo Xavier, que acertou a bola na trave esquerda de Neto.

O ápice da partida foi esse, atingido logo no início. A partir daí, a qualidade só caiu. O Furacão, bem postado na zaga, apenas esperou o Guarani jogar e não fez muita questão de se lançar no campo ofensivo - só quando tinha muitos espaços à disposição. A falta que Paulo Baier faz é imensa. Sem ele, o time paranaense peca em criatividade e Branquinho, sozinho, não era a solução.

Pela equipe de Vágner Mancini, tudo passava pelo habilidoso Mazola. O camisa 11 levou vantagem sobre os zagueiros atleticanos em praticamente todos os lances. No entanto, havia um problema: se sobra habilidade no atacante, faltam senso de posicionamento e qualidade no passe. Em vários momentos, Mazola preferiu o chute em vez de tocar para o companheiro melhor colocado. Quando tentou o passe, também errou.

A torcida bugrina, vendo pouca emoção no gramado, resolveu pegar no pé da assistente Márcia Lopes Caetano, que é da Fifa. Em um jogo contra o Atlético-MG, em 14 de agosto, ela validou um gol irregular do Galo contra o Guarani, na derrota alviverde por 3 a 1. No Brinco de Ouro, Márcia teve de ouvir gritos pejorativos a cada participação no jogo.

E a assistente parece ter sentido um pouco a pressão. Tanto que cometeu um erro na regra, que só não foi maior porque o árbitro Cláudio Francisco Silva ignorou a marcação. Ela marcou impedimento de Rodrigo Heffner em uma jogada na qual ele tinha recebido a bola de um jogador adversário, o que anula a irregularidade. Percebendo o erro de sua auxiliar, Cláudio mandou o jogo seguir.

Mazola: Ilha de habilidade

Se o primeiro tempo já não foi dos melhores, o segundo foi sofrível. Tudo porque falta criatividade às duas equipes. O técnico Paulo César Carpegiani tentou algo diferente ao lançar o paraguaio Ivan González, que mal tocou na bola. No atual elenco do Furacão, parece impossível substituir Paulo Baier. Além disso, a ausência do rápido Maikon Leite também pesou.

O Bugre diminuiu o ritmo e passou a trocar bolas com o rival na intermediária, dando pouco trabalho aos goleiros. Ruim para os mais de 4 mil torcedores, que passaram a ver uma partida de dar sono.

Mas em um jogo desses, truncado e de poucas oportunidades, só mesmo a individualidade pode resolver. E Mazola, o mais habilidoso em campo, conseguiu acertar uma jogada aos 40 minutos da segunda etapa. Ganhou de Manoel na raça, carregou a bola quase até a linha de fundo e chutou na saída de Neto. A bola explodiu em Rhodolfo e foi para o fundo das redes: 1 a 0 Bugre.

Sem poder algum de reação, o Atlético desabou de vez em campo. Apenas assistiu ao adversário valorizar a posse de bola e viu o tempo passar. No último lance, Emerson fez linda defesa em chute de Rhodolfo e encerrou o jogo.

veja também