MENU

Com negativas e desencontros, Timão tenta "blindar" assunto Riquelme no clube

Com negativas e desencontros, Timão tenta "blindar" assunto Riquelme no clube

Atualizado: Quinta-feira, 12 Novembro de 2009 as 12

Riquelme é o principal alvo do Timão para 2010 Check-in? Feito. Reunião com o presidente do Boca Juniors, Jorge Ameal? Marcada. Novidades sobre a negociação por Riquelme? Nenhuma. Depois da divulgação de que o diretor de marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg, viajaria nesta quarta-feira, às 14h20m, para Buenos Aires, junto dos investidores do Grupo DIS Cléber Desidério e Thiago Ferro, o dia no Timão foi marcado por negativas e informações desencontradas.

Tudo isso começou cedo, às 9h30m. Durante o treinamento dos jogadores, no Parque São Jorge, a imprensa foi informada de que o presidente Andrés Sanches daria um pronunciamento. Aproximadamente uma hora depois, uma mudança. O mandatário não falaria mais. Quem ?esclareceria algumas coisas?, termo usado para justificar a coletiva, seria o diretor de futebol Mário Gobbi Filho.

''Desde o começo quem viria seria eu, mas tive um problema no trabalho que inviabilizaria minha presença. Mas consegui contornar e comparecer'', falou Gobbi.

O assunto principal, é claro, era Riquelme. Na mira do Corinthians desde julho, o camisa 10 do Boca Juniors é o principal objetivo do clube brasileiro para o ano do centenário. E embora a TAM tenha confirmado que Luis Paulo Rosenberg, Cléber Desidério e Thiago Ferro tenham feito check-in no voo JJ 8018, a direção alvinegra negou veementemente que a viagem aconteceu.

''Eu nunca topei esse alarde todo. Não é assim que negocio, não é assim que ajo. Eu monto uma estratégia e sumo. Agora vocês querem saber até o avião que eu vou? O que é isso? É uma negociação muito complicada. Não pode perder grau de liberdade. Do Defederico não vazou nada, com o Ronaldo negociei quatro meses e ninguém ficou sabendo. Não pode vazar assim'', falou Rosenberg, por telefone.

Essa declaração do diretor de marketing do Timão foi dada por volta das 12h desta quarta-feira, duas horas e vinte minutos antes do embarque do avião com destino a Buenos Aires, no qual ele garantiu que não estaria. Especulou-se nos bastidores do clube que não pegou bem na Argentina o vazamento de informações sobre a negociação com Riquelme e por isso o encontro teria sido adiado.

Nas aproximadamente três horas que dura um voo de São Paulo a Buenos Aires, a reportagem do GLOBOESPORTE.COM tentou contato nos telefones celulares de Rosenberg, Desidério e Ferro, mas todos estavam na caixa postal. Mais tarde, já em área de serviço, com sinal, nenhum deles retornou as ligações. A reunião com o presidente do Boca Juniors estava marcada para esta quinta-feira, na Argentina.

O esforço do Corinthians em esconder informações sobre a transação com Riquelme tem como meta principal evitar que o preço pelo jogador fique em alta. O Timão e os investidores imaginam fechar por US$ 5,5 milhões, sendo US$ 3,5 milhões para o meia, por um ano de contrato, e os outros US$ 2 milhões para o Boca.

veja também