MENU

Com preparador 'linha dura', Tricolor paulista entra em concentração

Com preparador 'linha dura', Tricolor paulista entra em concentração

Atualizado: Quarta-feira, 5 Janeiro de 2011 as 3:40

Os jogadores do São Paulo podem se preparar para dias de muito suor até a estreia no Campeonato Paulista, dia 16 de janeiro, contra o Mogi Mirim, no interior do estado. Nas mãos do preparador físico "sargentão" Riva Carli, o elenco tricolor entra em concentração a partir desta terça-feira e só deixa o CT da Barra Funda horas antes de encarar o Sapão.

Carli, contratado do Atlético-PR por indicação do técnico Paulo César Carpegiani, não esconde que vai pegar pesado com os atletas. Pior: não só dentro de campo. O preparador promete um acompanhamento individual para impedir que alguém perca rendimento e não esteja em boas condições no momento que o Tricolor mais precisar.

- Sou exigente. Fico 24h observando, monitorando cada um. Não posso admitir jogador fora do peso. Tem que ser atleta e não um corredor de praia de final de semana. Ele tem que cumprir horário, se alimentar bem, tem que estar com disposição e motivado. Faço um controle diário do treinamento, do comportamento. Tudo influi dentro do grupo. Quando isso é quebrado, quebra o grupo. Mas não sou bravo. Sou até muito amigo dos jogadores – afirmou.

O elenco são-paulino se reapresentou na segunda-feira e ainda não teve contato com bola. Apenas na próxima semana o técnico Paulo César Carpegini deve iniciar os trabalhos no campo. Por enquanto, atividades físicas em dois períodos (manhã e tarde). Entretanto, no domingo, o grupo terá que acordar cedo. Carli agendou um treino para 7h. Outros dois serão realizados 10h30 e 16h30.

- Tem uma explicação lógica. Muitas vezes, você trabalha em um ou dois períodos e coloca um volume muito grande. Estamos diluindo os trabalhos. Você diminui o volume de treino e aumenta o intervalo de descanso. Dar o treinamento, causar o estresse na musculatura, é fácil. A parte mais importante é a recuperação – ressaltou.

Comissão técnica e jogadores, aliás, já conversaram sobre o planejamento físico para o primeiro semestre. A intenção é dividir o projeto em três partes, sempre visando a chegada em boas condições aos momentos em que o São Paulo pode decidir os títulos do Paulistão e da Copa do Brasil.

- Janeiro é o acumulativo, porque o volume de treinos é grande. É o momento mais importante para ter a melhor performance possível. Depois, é o momento de evolução, de fevereiro e março. Em seguida, teremos a terceira etapa para atingir o objetivo principal, o momento de decisões, que eu chamo de realização – completou.

Por Carlos Augusto Ferrari

veja também