MENU

Com prova em Mônaco, F-1 comemora 60 anos de existência

Com prova em Mônaco, F-1 comemora 60 anos de existência

Atualizado: Quinta-feira, 13 Maio de 2010 as 2:44

Depois do GP de Interlagos completar 70 anos de vida nesta quarta-feira (12 de maio), é a vez da categoria mais tradicional do automobilismo mundial comemorar. No dia 13 de maio de 1950, a Formula 1 deu a largada para a primeira corrida de sua história, e completa 60 anos de uma vasta história de emoções, tragédias, e principalmente vitórias.

A F-1 herdou o sentimento das corridas de Grand Prix ocorridas ainda antes da Segunda Guerra Mundial, e iniciou os trabalhos para retomar suas atividades em 1950. Após alguns meses de preparação, a primeira prova foi organizada no dia 13 do mês de maio. A sede seria o tradicional circuito de Silverstone, na Inglaterra.

Curiosamente, a primeira prova da F-1 foi marcada para um sábado, para não coincidir com uma missa comum da região de Northamptonshire. Na pista, 21 pilotos alinharam para a largada, e na plateia cerca de 100 mil pessoas assistiam à prova na beira da pista - dentre eles, a família real inglesa, em lugares mais cativos.

O primeiro GP da Formula 1 teve como pole position o italiano Giuseppe Farina, que corria com um Alfa Romeo. O segundo foi o seu compatriota, Luigi Fagioli. Maior nome da categoria por muitos anos a seguir, o argentino Juan Manuel Fangio foi o terceiro no grid.

Na largada, Fangio já dava sinais do piloto supercampeão que viria a ser, e ganhou duas posições, passando à liderança. No entanto, na volta 62 de um total de 70, seu carro quebrou e ele abandonou a corrida, deixando a vitória cair no colo de Farina, em 2h13min23s. Fagioli, fiel escudeiro no final de semana, foi o segundo, e Reg Parnell, o terceiro.

Onze dos 21 carros que largaram terminaram as 70 voltas no traçado britânico. Curiosamente, a Ferrari não esteve presente na prova, pois não conseguiu projetar seus carros a tempo. No entanto, garantiu presença na prova seguinte, o GP de Mônaco - atual estágio da presente temporada da F-1. Os demais pilotos ficaram pelo menos a duas voltas de distância.

Fangio veio a se tornar um dos grandes nomes da categoria, sendo campeão mundial cinco vezes logo no início (1951, 1954, 1955, 1956 e 1957). O recorde durou até os anos 2000, quando o ultrarecordista alemão Michael Schumacher ultrapassou a marca e, até 2006, quando encerrou a carreira, conseguiu ser heptacampeão (1994, 1995, 2000, 2001, 2002, 2003, 2004).

Os melhores brasileiros da categoria são Nelson Piquet (1981, 1983, 1987) e Ayrton Senna (1988, 1990, 1991), maior ídolo brasileiro. Este, ainda, mudou os rumos da F-1 ao falecer em um trágico acidente no dia 1º de maio de 1994, no GP de Ímola, na Itália.

veja também