MENU

Com Ricardinho e a base da seleção, Vôlei Futuro entra forte na Superliga

Com Ricardinho e a base da seleção, Vôlei Futuro entra forte na Superliga

Atualizado: Quinta-feira, 4 Novembro de 2010 as 4:02

Não foi só o time que mudou. O objetivo agora também é outro. O décimo lugar na temporada passada da Superliga não agradou, e por isso o Vôlei Futuro quer um desempenho diferente em 2010/2011. Tanto é que, para isso, investiu pesado. Quatro reforços de nome chegaram: o experiente levantador Ricardinho, e três jogadores que participaram ativamente da conquista do tricampeonato mundial com a seleção brasileira na Itália. São eles o meio de rede Lucão, o oposto Leandro Vissotto e o líbero Mário Jr. – todos titulares da equipe dirigida pelo técnico Bernardinho.

Dois desses atletas da nova geração estavam em uma equipe acostumada a ganhar. Atual tricampeão da Superliga, o Florianópolis perdeu Lucão e Mário Jr. para o time do interior paulista. O líbero, aliás, foi eleito o melhor jogador da posição na Liga Mundial 2010, na Argentina, também vencida pelo Brasil. Isso sem falar nos ponteiros cubanos Pedro Ortiz e Camejo - este último destaque no Mundial - que também chegaram para reforçar a equipe. E com tantos talentos, cabe agora ao treinador, Cezar Douglas, usar da melhor forma as boas peças que tem nas mãos.

O Craque

O momento é dele. Leandro Vissotto entrou no Mundial da Itália como o nome a brilhar. Na primeira partida, sentiu uma lesão, mas aos poucos foi se recuperando física e tecnicamente, até chegar à fase final como peça fundamental no esquema de Bernardinho. Inspirado, o oposto de 27 anos foi, inclusive, o responsável pelo último ponto na decisão contra Cuba. Vissotto volta a jogar no Brasil após quatro temporadas.

Fique de olho

Um gênio das quadras está de volta ao país. Aos 34 anos, o experiente levantador Ricardinho volta a se encontrar com alguns dos antigos companheiros da geração de ouro da seleção brasileira nesta Superliga. Versátil dentro de quadra e às vezes polêmico fora dela, o jogador de 1,91m e multicampeão pelo Brasil merece atenção especial após o tempo fora do país. Seu espírito de liderança no grupo é exaltado pelo treinador: "Além de genial, tem todos os atributos de um capitão".

Até onde vai?

Para o técnico Cezar Douglas, a disputa deve se concentrar entre sete equipes: "Em comparação com a Superliga passada, o nível técnico agora aumentou muito. Temos que tentar manter o máximo do nosso planejamento, porque são detalhes que vão decidir. Vamos entrar de olho no título, assim como pelo menos sete equipes, três de São Paulo, três de Minas e o Florianópolis", afirmou o treinador, há seis temporadas à frente do Vôlei Futuro.

Campanha na última Superliga

Na temporada 2009/2010, o Vôlei Futuro teve uma campanha muito irregular. No primeiro turno, a equipe chegou a ter uma sequência de sete derrotas consecutivas, após ter vencido as três primeiras partidas. No segundo turno, a participação foi um pouco melhor, mas não o suficiente para garantir o time entre os oito primeiros, terminando em décimo lugar.

Estreia neste campeonato

Quinta-feira, dia 16/12, às 19h30m, em Itabira, contra o Cruzeiro - o último jogo da primeira rodada.

Por: Guilherme Marques

veja também