MENU

Com saldo zero, Tricolor trabalha desequilíbrio entre defesa e ataque

Com saldo zero, Tricolor trabalha desequilíbrio entre defesa e ataque

Atualizado: Quinta-feira, 21 Outubro de 2010 as 8:37

O São Paulo está em um momento favorável desde que Paulo César Carpegiani assumiu o comando do time no Brasileiro. Em três jogos, o treinador acumulou três vitórias, e agora o clube está em nono lugar, com 44 pontos, a apenas dois do primeiro time na zona de classificação para a Libertadores. Mas, curiosamente, mostra desequilíbrio nos números: sofreu 43 gols na competição e fez os mesmos 43, com saldo zero. Com o crescimento visível, os jogadores esperam agora melhorar este aspecto.

- Em um campeonato como esse o time precisa de saldo, temos que diminuir essa margem. O Carpegiani está tentando acertar a parte defensiva, principalmente agora que temos um time mais ofensivo. Lá na frente podemos precisar desse saldo. O time está mais aberto, agressivo, e isso acaba dando espaço. Mas é possível corrigir logo, até porque ninguém gosta de ficar sofrendo gols - analisou Rodrigo Souto.

Fernandinho concorda que o fato de o Tricolor estar jogando com uma formação bastante ofensiva, com ele e Lucas na criação, e Dagoberto e Ricardo Oliveira na frente, contribui para que o time sofra mais gols.

- Esta compactação entre defesa e ataque significa uma nova fase, e gera desequilíbrio. O São Paulo está acostumado a tomar poucos gols, mas creio que em pouco tempo o time vai melhorar e subir na tabela - ressaltou o atacante.

O Tricolor terá desfalques de três jogadores de defesa no duelo com o Ceará, neste domingo, em Fortaleza: Alex Silva, Jean e Richarlyson, que estão suspensos. Mas Souto acha que a equipe conseguirá se adaptar com Xandão ao lado de Miranda, Renato Silva na lateral direita, e Diogo na esquerda.

- É difícil, até porque são jogadores de qualidade, e há muito tempo não conseguíamos colocar o mesmo time em campo por lesões e cartões. Mas é nesse momento que temos que mostrar a força do grupo - acrescentou Souto.

Por: Carolina Elustondo e Marcelo Prado

veja também