MENU

Com suplentes, Brasil joga mal, passa sufoco, mas bate China

Com suplentes, Brasil joga mal, passa sufoco, mas bate China

Atualizado: Sexta-feira, 25 Novembro de 2011 as 8:05

Atuando com praticamente toda equipe formada por reservas (dos titulares, somente Murilo e o líbero Serginho começaram a partida), o Brasil teve uma atuação decepcionante, porém derrotou no tie-break a lanterna China por 3 a 2 (23/25, 25/10, 25/18, 19/25 e 15/8), na manhã desta sexta-feira, em Kumamoto, e perde a primeira colocação da Copa do Mundo (Rússia assume a dianteira no critério de desempate). A intenção de Bernardinho foi a de dar ritmo de jogo aos jogadores pouco utilizados até o momento e poupar os principais valores para a sequência da competição, entretanto o treinador quase passa um vexame histórico no Japão.

  O Brasil penou muito, mas conseguiu dobrar a fraca seleção chinesa (Foto: FIVB / Divulgação)

Agora com quatro vitórias e uma derrota (para a Itália), o Brasil terá como próximo compromisso a Argentina, domingo, em Hamamatsu, novamente às 4 horas (de Brasília) e com transmissão da Globo e do Sportv. A China, por sua vez, perdeu todos os jogos que realizou, mantendo-se na lanterna do torneio. Os chineses, que conseguiram vencer seus primeiros sets justamente no duelo desta sexta, obtiveram seu primeiro ponto e enfrentarão a Polônia, domingo, em Fukuoka. Com dois pontos a menos que brasileiros e russos, a Polônia enfrenta o fraco Japão no complemento da quinta rodada. Caso vença por 3 a 0 ou 3 a 1, somará mais três na pontuação e assumirá a liderança.

Depois de uma atuação sensacional dos titulares diante da Rússia (com uma vitória categórica por 3 a 0), o time misto do Brasil decepcionou nesta sexta. Errou muito nos primeiros movimentos, principalmente com Theo e Bravo, e chegou a estar perdendo por 16/11. Nem mesmo as boas combinações de Bruninho com o experiente Gustavo fizeram a seleção salvar o set, o primeiro vencido pelos chineses na competição, por 25/23.

O quadro nacional voltou muito mais ligado para a segunda parcial, e logo abriu 4/0 e depois 11/3. Após início ruim, João Paulo Bravo cresceu no jogo e passou a virar todas as bolas. Passando a controlar amplamente o jogo, o Brasil empatou o duelo, matando o set em 25/10.

Passado um equilíbrio inicial, o terceiro set passou a ser dominado por brasileiros, que conseguiram 14/9. Mesmo sem bom aproveitamento no bloqueio, a seleção não encontrou problemas para vencer por 25/18, após ponto de saque feito por Marlon (que entrara para o serviço), e virar o placar em Kumamoto.

O Brasil entrou para o quarto set com a intenção de fechar a partida, mas voltou a cometer erros em saques e nas tramas ofensivas, principalmente com Theo, bem marcado pelo bloqueio chinês. Com 20/14 para os orientais, a seleção brasileira passou a ver novamente o fantasma da parcial inicial, o que acabou se confirmando com um ataque totalmente equivocado de Murilo. China 25/19.

Para evitar um vexame histórico, o time nacional voltou bem mais ligado e com Lucão para o tie-break. Sem sofrer os sustos que passou em boa parte do jogo, o Brasil deu números finais ao jogo fazendo 15/8 e se livrou de uma surepreendente e patética derrota na Copa do Mundo. O Brasil entrou em quadra com Bruno, Murilo, Theo, Gustavo, Rodrigão, João Paulo Bravo e o líbero Serginho. No decorrer, entraram Marlon, Wallace e Lucão.

Irã apronta mais uma

Após cinco rodadas disputadas, a Copa do Mundo revelou uma grande surpresa até o momento: Irã. Tida anteriormente como um das mais fracas da competição, a equipe asiática já havia derrubado três de seus oponentes (Japão, por 3 a 1; Sérvia, 3 a 2; e Polônia, 3 a 2), conhecendo apenas uma derrota o início da jornada de sexta-feira (Cuba, por 3 a 0). Nesta manhã, a vítima foi a Argentina, que sofreu a virada e caiu por 3 a 2 no tie-break (parciais de 15/25, 25/21, 24/26, 25/16 e 15/12 para os iranianos).

Na surpreendente quarta colocação, o Irã pode, no entanto, perder a posição até o complemento da rodada, caso a Itália derrote os EUA.

Confira os duelos desta sexta

Irã 3 x 2 (15/25, 25/21, 24/26, 25/16 e 15/12)

Rússia 3 x 1 Egito (25/18, 25/17, 23/25 e 25/9)

Brasil 3 x 2 China (23/25, 25/10, 25/18, 19/25 e 15/8)

Cuba 3 x 1 Sérvia (17/25, 25/21, 25/22 e 25/17)

Polônia x Japão

Itália x EUA

Classificação, com pontos e jogos, com número de vitórias entre parênteses

1º Rússia 12 e 5 (4)

2º Brasil 12 e 5 (4)

3º Polônia 10 e 4 (3)

4º Irã 9 e 5 (4)

5º Cuba 9 e 5 (3)

6º Argentina 9 e 5 (3)

7º Itália 8 e 4 (3)

8º EUA 6 e 4 (2)

9º Sérvia 3 e 5 (1)

10º Egito 3 e 5 (1)

11º Japão 2 e 4 (0)

12º China 1 e 5 (0)            

veja também