MENU

Com vitória por 2x0, Coritiba é campeão paranaense

Com vitória por 2x0, Coritiba é campeão paranaense

Atualizado: Segunda-feira, 19 Abril de 2010 as 12

Pouco mais de quatro meses após a tragédia, o Couto Pereira e o Coritiba viveram seu dia de redenção. A vitória por 2 a 0 sobre o Atlético-PR, numa atuação de garra desde o início da partida, garantiu o 34º título paranaense, com uma rodada de antecipação. Somando 20 pontos, o Coxa não pode mais ser alcançado pelo rival, que tem 16, a uma rodada do fim do octogonal decisivo. Marcos Aurélio e o angolano Geraldo marcaram os gols.

A tarde deste domingo, de muita festa, em nada lembrou aquele 6 de dezembro, marcado pela tristeza pelo rebaixamento para a Série B do Brasileiro e pelo quebra-quebra após o empate por 1 a 1 com o Fluminense. O estádio não estava lotado, mas recebeu um bom público, que desde cedo mostrava confiança no título e fez festa. Gritos como "Coxa, eu te amo" e "Sou Coxa com muito orgulho", após o segundo gol, mostraram que o orgulho está definitivamente de volta.

Esta foi a 16ª partida decisiva entre as duas equipes. Com a vitória, o time alviverde igualou o retrospecto, com oito títulos para cada lado. Quem também empatou suas contas pessoais foi o técnico Ney Franco. Em seis anos, ele chegou a seis finais de estaduais, vencendo três (Mineiro, pelo Ipatinga; Carioca, pelo Flamengo; e Paranaense, pelo Coritiba) e perdendo outras três.

As duas equipes ainda voltam a campo no torneio estadual, porém apenas para cumprir tabela. No próximo domingo, o Coritiba enfrenta o Cascavel, no Couto Pereira. Já o Atlético-PR terá pela frente o Iraty, na Arena da Baixada. Antes, porém, o Furacão enfrenta o Palmeiras, na quarta-feira, no jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil.

Primeiro tempo com muitas chances perdidas

Sem contar com o artilheiro Bruno Mineiro, vetado após o treino de sábado, mas precisando da vitória, o técnico Leandro Niehues começou a partida com uma formação bem ofensiva. Valencia foi deslocado para a direita, e Tartá entrou no meio, formando o quarteto ofensivo com Paulo Baier, Javier Toledo e Alex Mineiro. O atacante de 35 anos disputou sua primeira partida em 2010, após se recuperar de uma lesão no joelho.

A tática fez com que o jogo ficasse aberto e as duas equipes criassem muitas chances. E foi mesmo o Furacão que começou melhor. Logo aos cinco minutos, Manoel arriscou de longe e assustou Edson Bastos. Cinco minutos depois, Paulo Baier acertou o travessão ao cobrar um escanteio. Aos 18 minutos, Alex Mineiro teve a sua primeira chance: recebeu na área, chutou cruzado, mas parou na defesa do goleiro alviverde. No minuto seguinte, a melhor oportunidade de gol do time rubro-negro na etapa. Baier cobrou falta para a área, Alan Bahia cabeceou para o meio, e Chico, sem marcação, chutou para fora.

O Coritiba, que parecia perdido, aos poucos foi se acertando e começou a criar lances de gol. E a desperdiçá-los também. Aos 20, Renatinho recebeu passe de Ariel e chutou cruzado, sem acertar a mira. Três minutos depois, Lucas Mendes ficou livre para cabecear para o gol, após cobrança de escanteio. Mas o zagueiro concluiu para baixo, fazendo a bola quicar e passar por cima do gol. Aos 25 minutos, foi a vez de Ariel arriscar da entrada da área e ver a bola passar muito perto da meta.

Na pressão alviverde, Marcos Paulo fez a jogada mais bonita da partida e quase marcou um golaço. Recebeu a bola na área, deu um chapéu em Vanegas e chutou cruzado para o gol. A bola passou tirando tinta da trave. E o poste deve ter ficado com menos cor quando, aos 32 minutos, Rafinha também concluiu muito perto.

Após o lance, o jogo diminuiu um pouco de ritmo. A única boa chance ficou por conta do Atlético-PR, aos 40. Paulo Baier recebeu cruzamento da direita e, de voleio, bateu bonito para o gol. Edson Bastos defendeu.

Coxa volta com tudo para o segundo tempo

A segunda etapa começou com o Atlético-PR quase marcando... contra. Em jogada esquisita, Neto cortou um cruzamento da esquerda e acertou as costas de Manoel. A bola passou perto do gol vazio. Mas o Coritiba não precisava de ajuda. Aos cinco minutos, Rafinha fez boa jogada pela esquerda e tocou para Marcos Aurélio acertar o ângulo, fazendo o Couto Pereira explodir de alegria.

Na saída de bola, foi a vez de Edson Bastos contribuir para a vitória. Tartá recebeu passe dentro da área e bateu com força, mas o goleiro fez grande defesa e impediu o que seria um balde de água fria no ânimo alviverde.

O Coxa seguiu em cima, com Ariel tendo duas chances. Aos oito e aos dez minutos, ele recebeu na área e chutou rasteiro, mas Neto defendeu ambas. O Atlético-PR respondeu em cobrança de falta. Baier cruzou na área, a zaga do Coxa cortou, e a bola sobrou para Tartá. O atacante encheu o pé, mas Edson Bastos defendeu sem dificuldade.

O Furacão pareceu sentir o golpe, e nem as mudanças feitas por Leandro Niehues foram suficientes para mudar o panorama. O Coritiba passou a trocar passes e esperar a melhor oportunidade para matar a partida. E ela surgiu aos 29, quando Geraldo passou por Manoel e bateu para o fundo do gol. Os gritos de "campeão" ecoaram com força pelo estádio, enquanto o placar eletrônico pedia para os torcedores não invadirem o campo.

A torcida do Atlético-PR não arredou pé do estádio e tentou cantar para animar seus jogadores. Mas não fez efeito. Apático, o Furacão continuava tentando chegar ao gol apenas em jogadas de bola parada. Aos 41, Baier cobrou falta bem colocada, mas Edson Bastos defendeu.

Ao Coritiba, restava esperar o tempo passar para poder dar a volta olímpica. E foi isso que fez. Sem se arriscar, o clube apenas deixou o relógio fazer o seu trabalho até o juiz marcar o fim do jogo e o início da festa.

Por: Thiago Fernandes

veja também