MENU

Conjunto brasileiro conquista terceira medalha de ouro da ginástica

Conjunto brasileiro conquista terceira medalha de ouro da ginástica

Atualizado: Quarta-feira, 19 Outubro de 2011 as 8:29

Virou rotina em Guadalajara. Três provas e três vezes lá estavam as meninas do conjunto brasileiro de ginástica rítmica no alto do pódio. Nesta terça-feira, elas venceram a disputa de fitas e arco e terminaram a participação no Pan com 100% de aproveitamento. Com 24.775 pontos, deixaram para trás Canadá (24.625) e Estados Unidos (24.650).

  Conjunto do Brasil durante a última apresentação em Guadalajara (Foto: Luiz Pires/Vipcomm/Divulgação)     As três medalhas douradas se juntam às quatro conquistadas por Angélica Kvieczynski - uma de prata e três bronzes -, fazendo com que a modalidade deixe a competição com um total de sete.

Formado apenas em fevereiro, quando Camila Ferezin assumiu como técnica, o conjunto brasileiro carregava a responsabilidade de defender o tricampeonato em Pan. Das atletas que competiam no Rio de Janeiro, apenas Luísa Matsuo continuava na equipe. Aos 23 anos, fez sua última apresentação com a seleção.

- Graças a Deus deu tudo certo. Estou muito feliz de sair da seleção com três medalhas no peito. É uma recompensa depois de tanto trabalho, luta, suor, dor, lágrima e tantos momentos bons também.     O Pan era a meta do Brasil. Mal no ranking, disputou o Pré-Olímpico, na França, como convidado, depois que a Coreia foi tirada da competição. Lá, um problema nas fitas comprometeu o resultado e a sonhada vaga olímpica, que acabou ficando com o Canadá.

- A ginástica rítmica sofreu muito nos últimos tempos. É uma recompensa – disse Camila, que deixou a família em Londrina e foi morar em Aracaju para comandar a seleção. A final desta terça foi ao som de uma mistura: trilhas sonoras de um espetáculo do Cirque Du Soleil e do filme de animação “Rio”. Mas o que ficou no coração das meninas foi “My Way”

- Se você prestar atenção na letra, ela representa todo o nosso caminho, desde fevereiro até aqui. Todos os altos e baixos, as competições em que não fomos bem e os méritos. É uma sensação de alívio, de felicidade e choro. Guadalajara toda estava no nosso lado. Temos que agradecer – diz Bianca Mendonça.          

veja também