MENU

Copa já tem dois favoritos e uma forte candidata a decepção

Copa já tem dois favoritos e uma forte candidata a decepção

Atualizado: Segunda-feira, 21 Junho de 2010 as 6:52

Em Copa do Mundo não se oferece a outra face. Não tem santo em campo. Aos 15 minutos, Lúcio sacou seu mimo de boas-vindas ao indigesto Drogba. Na lateral do campo de ataque, o marfinense protegeu a bola e virou de costas para o brasileiro, que tentou dar de mão fechada em seu braço direito. O mesmo que tinha sido operado pouco antes da Copa. O golpe não pegou direito, mas o juiz francês Stephanne Lannoy apitou a falta. Faltinha boba, "de jogo". E de infração em infração, porradinha em porradinha, a partida em Joanesburgo foi esquentando. Pegou fogo, incendiou.

Quem havia se empolgado na véspera com o animado Dinamarca 2 x 1 Camarões teve a oportunidade de assistir a um duelo de gente parruda e com todos os ingredientes básicos de um jogaço: mau-caratismo, carrinhos assassinos, trombadas dissimuladas, erros de arbitragem, expulsão injusta, triangulações envolventes, golaços e pelo menos um lance para figurar em antologias de todas as Copas e aberturas de programas esportivos de TV.

Em sua segunda partida na África do Sul, o Brasil finalmente estreou e fez o que, até agora, só a Argentina tinha feito nesta Copa: espalhar o medo em seus rivais. E não foi vencendo um adversariozinho mequetrefe qualquer, não. Foi um 3 a 1 categórico sobre um time daqueles que incomoda muita gente, a Costa do Marfim. Os elefantes africanos honram o apelido: não são "pelegos" feito seus "primos" indianos. Não se deixam domar, montar, ou escravizar, por mais cruelmente eficiente que seja o método. A cada vez que iam buscar a bola no fundo das redes, voltavam mais iracundos. Pareciam não acreditar no que estavam vendo. Seriam eles também críticos de Dunga?

CONFIRA OS LANCES MAIS RÍSPIDOS DO JOGO COM OS ELEFANTES

Primeiro, assistiram à ressurreição de Kaká e ao exorcismo da uruca de Luis Fabiano, que espetou uma Jabulani no ângulo e deu fim a seu ramadã de gols. Depois, golpe terrível para os paquidermes. Luís Fabiano ensinou a Maradona uma ou duas coisinhas sobre a natureza divina: "Dios" não é maneta. Uma ajeitadinha manual, dois lindos chapéus, uma ajeitadinha braçal (que por aproximação, é chamada "hands"), arremate "bailarino" de canhota, e pronto. O diário argentino "Olé" foi obrigado a repetir a manchete blasfema: "La mano de Dios". E o juiz achou tão bonito que não teve coragem de anular. Na volta ao campo do Brasil, ainda confirmou com o artilheiro se ele tinha usado o ombro; Fabuloso mentiu e ganhou de resposta algo que em francês deve significar "tamo junto, parceiro!".

Não foi afronta suficiente: Kaká rolou com açúcar e cacau para Elano estabelecer o chocolate na Costa do Marfim. Foi a senha para a fúria dos elefantes. Tioté tirou Elano do jogo com uma entrada carniceira e Keita, homem com uma missão, não sossegou antes de provocar dois cartões amarelos – e o consequente vermelho - para Kaká. Injustiça: sem enxergar o lance, o juiz tomou como cotovelada um gesto mais defensivo que ofensivo do brasileiro. No quadro Leitura Labial, do "Fantástico", uma revelação: Dunga quis muito substituir Kaká após o primeiro amarelo, mas foi convencido por palavras sopradas entre bigodes pelo supervisor Américo Faria... No final, Drogba deixou o dele, em falha de cobertura com nome e sobrenome: Felipe Melo.

Em Neslpriut, outro candidato a bicho-papão era esperado, mas preferiu comparecer somente em ectoplasma. A Itália tetracampeã mundial conseguiu empatar em 1 a 1 com a surreal Nova Zelândia, seleção que tem em seu time um jogador que é bancário licenciado. O gol dos kiwis foi possibilitado por uma desastrada intervenção do ex-jogador em atividade Cannavaro. Deu uma cinturada no estilo "mexe as cadeiras, mulata" e deixou a bola escorregar na pequena área para o bico do banheirista Smeltz. Não foi o mais legal dos gols. Mas rolou uma compensação com um pênalti sem-vergonha, uma micropegadinha na camisa de De Rossi por nanofrações de segundo. Iaquinta bateu e escreveu no placar mais um 1 a 1 muquirana.

Resumos

18 de junho: O brilho da Sérvia

17 de junho: Bobos a menos no futebol

16 de junho: Silêncio na vuvuzela

15 de junho: Alta ansiedade e 'emos'

14 de junho: Eto'o pior que Obina

13 de junho: Jogo bonito redime lambanças

12 de junho: Namoro na área e frangaço

11 de junho: Festa sem vencedores

Muito se fala sobre a Azzurra começar irritante e terminar contundente, mas nesta edição da Copa do Mundo, o truque parece estar sendo levado a limites extremos. Difícil imaginar como os comandados por Marcello Lippi vão conseguir fazer gols contra a Eslováquia na próxima quinta-feira. Mas quem disse que eles não podem se classificar com um 0 a 0?

O Paraguai pode ajudar os italianos batendo a surpreendentemente invicta Nova Zelândia. Para isso basta mostrar, também na quinta, às 11h30 (horário de Brasília) a mesma competência que exibiu nos 2 a 0 sobre a mesma Eslováquia no domingo. O atacante Roque Santa Cruz, otimista, diz que esta é a melhor seleção guarani em todos os tempos e crê que, se chegar às quartas de final, "tudo pode acontecer". Do outro lado, tomado pela embriaguez do sucesso, o técnico dos kiwis fala em vencer o Paraguai. Copa do Mundo pode ser coisa decidida pelos instintos mais baixos e pagãos. Mas sempre rola uma fezinha. Confira a seguir alguns dos principais lances e personagens da fauna deste domingo

Zé Bonitinho cover em Joanesburgo (Foto: Getty) O FIGURAÇA

A torcida brasileira em Joanesburgo contou com o reforço de um Zé Bonitinho cover. Depois da estreia fraca contra a Coreia do Norte, foi como se a seleção brasileira (e também Kaká e Luís Fabiano) dissessem, finalmente:

 - Mulheres, cheguei!!

HAKUNA MATATA

Desde que Claudinho e Buchecha adaptaram a Dança do Acasalamento da Família Dinossauro, lá por 1997, que não se via uma coreografia tão estranha.

 Iaquinta e De Rossi comemoraram o golzinho da Itália contra Nova Zelândia de um jeito muito alegre e inovador.

CROCODILO

Tioté, da Costa do Marfim, tenta desossar Elano, do Brasil. O brasileiro, que minutos antes tinha comemorado seu gol tiramdo as caneleiras e exibindo os nomes das filhas, deve ter dado graças a Deus pela proteção alcançada.

Menção honrosa para Lucio, pelo cartão de visitas ao "quebrado" Drogba.

 OSCAR

O prêmio alternativamente conhecido como Rivaldo de simulação grotesca vai para Keita, da Costa do Marfim, pela queda ao ser "atingido" por Kaká.

 HIENA

O juiz francês Stephane Lannoy trocou risinhos ao ser cinicamente enrolado por Luís Fabiano em seu segundo gol. A partir daí, perdeu o controle da partida e acumulou erros.

 CHIMPANZÉ

O mico evoluído do dia é de Cannavaro, o  melhor jogador da Copa passada. Olha só a atolação demonstrada pelo veterano italiano nesta bola lançada à área pelo perigoso ataque neozelandês...

 JUBA

O paraguaio Roque Santa Cruz não tem um "bêlo" tão incrementado quando o de Gervinho, da Costa do Marfim. Mas suas madeixas fazem sucesso junto às fãs alemãs e inglesas (atualmente ele atua no Manchester City).   Por Pedro Só Rio de Janeiro

veja também