MENU

Corinthians admite usar chinês para ser conhecido no exterior

Corinthians admite usar chinês para ser conhecido

Atualizado: Sexta-feira, 2 Março de 2012 as 10:31

O vice-presidente do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg, admite que sua equipe é a menos conhecida no exterior entre as grandes do Brasil. Por isso, o dirigente afirma que o chinês Chen Zizao (com nome já no português) terá papel fundamental na internacionalização da marca de seu time no resto do mundo. Já na sua coletiva de imprensa, jornalistas chineses e de outras agências internacionais compareceram para fazer a cobertura para vários países.

Rosenberg até faz piada com a falta da conquista da Copa Libertadores e aproveita para alfinetar o ex-presidente Alberto Dualib e seu envolvimento com escândalos que estamparam páginas policiais dos noticiários.

“Há 15 anos, a gente via um tirano no comando, que tinha seu nome envolvido em corrupção e página policial para todo lado. Hoje, nós mudamos e queremos o Corinthians como o maior clube brasileiro, que passa por um comportamento político e social louvável. Somos um clube duro de negociar, mas que quando temos um parceiro, tratamos como ninguém. E falta uma dimensão internacional para gente. Dentre os grandes brasileiros, somos os menos conhecidos”, admitiu Rosenberg.

“Aí você vai me falar: falta a conquista de uma Libertadores! (risos). Sim, falta, mas estamos trabalhando duro para que isso aconteça. Enquanto isso, temos o objetivo de levar a marca para fora. O Flamengo, o São Paulo, o Internacional, o Palmeiras e o Vasco são mais conhecidos lá fora do que o Corinthians, mas estamos tentando mostrar ao mundo uma coisa diferente com a chegada de Zizao”, analisou Rosenberg.

Com mais de 1 bilhão de habitantes, a China foi escolhida como ponto estratégico para que o Corinthians conseguisse maior repercussão internacional. Este é o segundo grande passo da equipe nesta grande direção. O primeiro foi a chegada de Ronaldo, que levou a marca da agremiação em todos os jornais do mundo.

Rosenberg também elogia o potencial da China e diz não entender como um país tão grande não consegue ser respeitado no futebol.

“Se você olhar no mundo, onde vamos encontrar um bando de louco? É claro que é na China. Na Inglaterra, só vou encontrar hooligan ou tomador de chá. No Japão, o povo é mais fechado, é uma sociedade conservadora. A China é uma sacada do Corinthians, é uma forma de mostrar identificação. É muito bacana nós chegarmos neste país como doadores e não só como receptores”, completou o dirigente.

Zizao assinou um contrato de dois anos de empréstimo com o Corinthians. Ele já até passou pelo Trofense, de Portugal, mas teve pouco sucesso dentro de campo e fora dele, especialmente com o português. Na sua apresentação, na última quinta-feira, ele mostrou confiança: “Vocês vão gostar de mim”.

veja também