MENU

Corinthians: Marcelinho Carioca pede autorização para vestir "segunda pele"

Corinthians: Marcelinho Carioca pede autorização para vestir "segunda pele"

Atualizado: Sexta-feira, 8 Janeiro de 2010 as 12

Marcelinho Carioca ficou desconfortável quando lhe pediram para vestir uma réplica da camisa que o Corinthians usou para conquistar o Mundial de Clubes. Apresentado oficialmente como garoto-propaganda na manhã desta sexta-feira, o ex-jogador se comportou para enfatizar diversas vezes que não disputará nenhuma partida oficial pela equipe de Mano Menezes.

Para embasar o discurso político do ''Senhor Centenário'', denominação que a diretoria atribuiu a Marcelinho, apenas o diretor de marketing Luis Paulo Rosenberg compareceu à apresentação. Justificou as ausências dos dirigentes diretamente ligados ao futebol (o presidente Andrés Sanchez está na Alemanha) e entregou ao novo contratado uma camiseta personalizada, e não o uniforme do Corinthians.

Diante de Marcelinho, no entanto, estava a réplica da camisa utilizada no Mundial de Clubes. ''Veste, vai, Marcelinho'', alguém pediu uma vez. O ídolo corintiano fingiu que não escutou. Depois de mais três solicitações, virou-se para os membros do departamento de marketing para conseguir uma autorização. ''Estão pedindo para eu vestir a camisa. Posso?'', perguntou, incomodado.

Com a camisa no corpo, Marcelinho abriu um largo sorriso de satisfação. ''Essa sempre foi e será a minha segunda pele'', disse. Acenou para fotógrafos e cinegrafistas, beijou o escudo do Corinthians e logo recobrou a prudência. ''Gente, mas esse número 7 atrás da camisa agora é do Elias. Eu não vou jogar, hein!'', avisou mais uma vez.

Toda essa precaução é para não criar nenhum mal-estar no Corinthians. Luis Paulo Rosenberg decidiu trazer Marcelinho de volta para o clube após o jogador atrair milhares de torcedores às lojas Poderoso Timão que visitou. Para o diretor de marketing, vincular ainda mais a imagem do ídolo ao time poderá aumentar sensivelmente os lucros no ano do centenário. A ideia, no entanto, não foi bem recebida por outros membros da diretoria. Temia-se que a presença do ex-jogador prejudicasse o ambiente de trabalho da equipe profissional.

''Sou muito pequeno. Uma sombra desse tamanho não assusta ninguém'', brincou Marcelinho. ''Sou um ex-jogador agora. Isso está bem claro, e a torcida vai entender. Estou à disposição para ajudar o Mano Menezes de qualquer maneira, menos dentro de campo. Vou participar de amistosos e posso ensinar aos atletas o que representa o sangue preto e branco correndo nas veias. Corinthians minha vida, Corinthians minha história, Corinthians meu amor'', complementou.

A primeira aparição de Marcelinho em um amistoso pelo Corinthians será contra o Huracán, no dia 13 de janeiro, no Pacaembu - a partida servirá para financiar parte da contração do meia argentino Matías Defederico. ''Não sei quanto tempo vou jogar. Quem decide tudo é o clube. Mas só um segundo com a minha segunda pele já vale mais do que um campeonato por qualquer outro time'', discursou o garoto-propaganda.

Por Helder Júnior

veja também