MENU

Costa do Marfim domina, vence por 3 a 0, mas está fora da Copa do Mundo

Costa do Marfim domina, vence por 3 a 0, mas está fora da Copa do Mundo

Atualizado: Sexta-feira, 25 Junho de 2010 as 1:19

Um milagre. Era exatamente o que a Costa do Marfim precisava para conseguir a classificação às oitavas de final da Copa do Mundo. Afinal, os africanos dependiam de uma vitória do Brasil contra Portugal, se possível por mais de um gol de diferença, e de uma goleada acima dos sete gols sobre a Coreia do Norte. Apesar da pressão inicial e do esforço, os marfinenses ganharam apenas por 3 a 0 em Nelspruit, com gols de Yaya Touré, Romaric e Salomon Kalou. No jogo de Durban, o 0 a 0 sacramentou mais uma eliminação africana.

O resultado, contudo, deixou os torcedores de Costa do Marfim felizes no Estádio Mbombela, que teve um público de 34.763 torcedores. Mesmo longe da vaga, eles não pararam de festejar um só minuto. Chegaram até a fazer uma estranha coreografia, em que imitavam elefantes, animal-símbolo do país africano, e ficaram de costas para o campo. Mas não era um protesto, e sim alegria pela vitória na despedida da Copa da África do Sul.

Mesmo sem marcar, Drogba foi o grande destaque da vitória sobre a Coreia do Norte

(Foto: Getty Images)   Apesar de não ter marcado na vitória por 3 a 0, o atacante Didier Drogba foi o grande destaque da partida. Ele jogou a Copa do Mundo no sacrifício, após quebrar o braço em um amistoso preparatório duas semanas antes do torneio.  Com belas jogadas e ótimos passes, ele acabou escolhido o melhor jogador em campo pelos internautas do site oficial da Fifa.

Com a vitória, Costa do Marfim terminou sua participação no Mundial na terceira posição do Grupo H, com quatro pontos. A Coreia do Norte, em sua segunda aparição em Copas, ficou na última posição após três derrotas. Os asiáticos marcaram apenas um gol na campanha na África do Sul, contra o Brasil, com o meia Ji Yum Nam. O resultado ficou distante do brilho de 1966, quando a equipe chegou a eliminar a favorita Itália e só perdeu para Portugal nas quartas.

Pressão, posse de bola e gols rápidos

Com uma formação ofensiva, com três atacantes, Costa do Marfim começou o jogo pressionando a Coreia do Norte. O time africano dominou a posse de bola nos primeiros minutos e ameaçou algumas vezes o gol de Myong Guk. Keita e Boka iniciaram a blitz ofensiva com dois chutes perigosos, mas o goleiro asiático conseguiu a defesa em ambos os lances.

Aos 10 minutos, Gervinho avançou pela esquerda e cruzou rasteiro. A bola passou pelo goleiro, mas ninguém apareceu para completar. No lance seguinte, Drogba cabeceou para o gol, mas o impedimento foi marcado corretamente pelo árbitro espanhol Alberto Undiano. A pressão marfinense aumentava cada vez mais em busca de um gol na parte inicial do jogo.

Nesta altura do jogo, Costa do Marfim tinha 80% da posse de bola, a maior parte dela no campo de ataque. E a pressão deu resultado aos 13 minutos de jogo. Em uma bela jogada do ataque marfinense, Yaya Touré recebeu um cruzamento rasteiro de Boka e bateu colocado no canto direito, sem chances para o goleiro Myong Guk, para fazer 1 a 0.

Mas Costa do Marfim precisava de mais gols para chegar a ter chances de classificação e continuava no ataque: Romaric acertou a trave esquerda aos 16. Três minutos depois, Drogba invadiu a área pela direita, chutou forte e a bola bateu novamente na baliza adversária. No rebote, Romaric completou de cabeça para o gol vazio: 2 a 0.

A vantagem de dois gols pareceu ter diminuído o ímpeto marfinense, que passou a rodar mais a bola para tentar abrir a zaga norte-coreana. Os asiáticos, por sua vez, começaram a tentar algumas jogadas de ataque, mas sequer acertaram o gol de Barry. Aos 37, Gervinho encaixou uma boa tabela com Eboué, entrou na área, mas chutou para fora do gol. Seis minuros depois, Drogba cruzou para a área e Gervinho perdeu outro gol, ao cabecear em cima de Myong Guk.

Ritmo marfinense diminui no segundo tempo

As duas equipes não fizeram substituições no intervalo, mas o time comandado por Sven-Goran Eriksson não manteve o mesmo ímpeto do primeiro tempo. Diante de uma Coreia do Norte ainda retrancada, Costa do Marfim tinha mais dificuldades de tocar a bola e não fazia a mesma marcação sob pressão do primeiro tempo. A primeira chance marfinense veio aos cinco, em um chute de Kolo Touré que Myong Guk defendeu.

Tentando marcar seu segundo gol na Copa do Mundo, Drogba continuava motivado e era o único do ataque marfinense a se movimentar e tentar algumas jogadas diferentes. Mas a marcação norte-coreana era muito forte sobre o jogador do Chelsea, que não conseguia chutar a gol com tranquilidade. Os asiáticos tentavam alguns contra-ataques e finalmente ameaçaram o goleiro Barry aos 12, com um chute rasteiro de Jong Tae Se.

O jogo seguia sem muitas chances de perigo até os 35 minutos, quando a Coreia do Norte teve sua mais perigosa chance de ataque. Jong Tae Se invadiu a área, chutou, mas o goleiro Barry fez uma excelente defesa. No contra-ataque, Costa do Marfim marcou o terceiro: Boka fez o cruzamento da esquerda para o chute de primeira de Salomon Kalou, que entrou no segundo tempo. Placar ampliado, mas ainda distante do necessário para os marfinenses.

Por Carlos Augusto Ferrari Direto de Nelspruit, África do Sul

veja também