MENU

Crise econômica de Portugal assusta estrelas do atletismo lusitano

Crise econômica de Portugal assusta estrelas do atletismo lusitano

Atualizado: Sexta-feira, 13 Maio de 2011 as 4:45

O "Rumo a Londres" deste mês terá um tempero tipicamente português. O campeão olímpico do salto triplo, Nélson Évora, e a campeã mundial do salto em distância, Naide Gomes, são as atrações do programa que vai ao ar a partir de meia-noite, da madrugada desta sexta-feira para sábado (de Brasília).

Em meio às preparações para o Campeonato Mundial da Coreia do Sul – onde podem assegurar o índice para Londres-2012 -, os atletas portugueses receberam a equipe do SporTV no moderno Complexo Desportivo do Jamor, centro de excelência de atletismo nas imediações de Lisboa.

? componente_materia>

'Rumo a Londres': Bruna Gosling entrevista Nélson Évora  (Foto: Divulgação SporTV) Animados com as perspectivas de bons resultados que os levem a Londres, Évora e Gomes confessaram-se desanimados com o futuro próximo de Portugal em razão da crise econômica que assola o país. Para evitar a bancarrota, o país receberá um empréstimo de € 80 bilhões (R$ 185 bilhões) do FMI e da União Europeia. Os atletas temem que isso traga más consequências para o esporte português.

Naide Gomes acredita que as empresas cortarão patrocínios:

- Se tiverem que cortar em orçamento, vão cortar das federações. Essa situação vai contribuir para que não apareçam novos talentos. Vão pensar: o que vamos fazer lá se não há apoio? Vamos investir em outra carreira que dê resultado, infelizmente - disse.

O campeão olímpico Nélson Évora clama pela união dos atletas portugueses para que a crise econômica não devaste o já combalido esporte do país.

- Estamos todos no mesmo barco, temos que saber o que fazer. E cada um, da sua forma, com dicas de quem tem experiência, com ajuda dos outros. É assim que se ultrapassa - comentou.

Sobre a participação nos Jogos Olímpicos, os atletas portugueses ressaltam a importância de se participar o quanto antes da competição a fim de obter experiência para conquistar grandes glórias. Évora lembra o quanto foi fundamental ir a Atenas-2004 para se tornar campeão olímpico quatro anos depois.

- É super importante o atleta desde muito novo ter contato com esse palco que é um bom pra qualquer atleta em termos de pressão, de performance. Tanto que eu fiquei em penúltimo em Atenas.Ter passado de penúltimo para primeiro, é o melhor que podia ter, né?

Naide Gomes foi outra a ter vivido o clima olímpico antes de se tornar uma atleta de nível internacional. Antes da decepção de só ter obtido o quinto lugar em Pequim-2008, foi como corredora dos 100m com barreiras que ela viveu seu primeiro momento numa Olimpíada, em 2000.

- Eu quis ser grande atleta. Disse para mim mesma: vou trabalhar pra isso, treinar tanto, tanto em Portugal, que verão que sou capaz. Então acho que Sydney foi uma transformação, foi a reviravolta - explicou Naide.

Na entrevista, Naide confessa o seu desejo de ainda participar dos Jogos Olímpicos de 2016, ressalta a sua admiração pelo Rio de Janeiro e arrisca até uma sambadinha. Já o campeão olímpico aproveita a entrevista para brincar com o amigo e rival Jadel Gregório.

- Jadel, responde meus e-mails, vai! Soube que tu viraste marinheiro. Quero saber mais disso, ó pá - brincou.  

veja também