MENU

Critérios da Iaaf limitam possibilidade de recorde mundial em maratonas

Critérios da Iaaf limitam possibilidade de recorde mundial em maratonas

Atualizado: Quinta-feira, 12 Maio de 2011 as 2:04

O queniano Geoffrey Mutai venceu a Maratona de Boston na última segunda-feira com o tempo de 2h03m02s – o menor já registrado neste tipo de prova. Apesar de ter superado em quase um minuto o atual recorde mundial, de 2h03m59s, conquistado pelo etíope Haile Gebrselassie em Berlim, em 2008, o fundista africano não teve sua marca homologada pela Federação Internacional de Atletismo (Iaaf na sigla em inglês). Isso porque a tradicional disputa americana, que chegou à sua 115ª edição neste ano, não se enquadra em algumas normas da entidade.

Para uma prova poder valer recorde mundial, a Iaaf exige alguns itens básicos: o início e o término do percurso, medidos em linha reta, não podem superar em 50% a distância da corrida; a altimetria entre a largada e a chegada não pode variar em mais de 21 metros no caso de uma maratona; além disso, a distância de 42,195 km tem de ser demarcada por um medidor da categoria A ou B (critério estabelecido pela própria entidade), que vai garantir a exatidão do percurso.

Como no caso de Boston apenas o último item é válido, Mutai não teve sua marca homologada pela Iaaf como recorde mundial. O grande trecho em declive da prova norte-americana, que é três vezes superior ao permitido, e o vento a favor foram usados como justificativa para o impressionante desempenho do queniano.

- Se houver uma grande distância entre a linha de largada e de chegada, o vento pode ficar a favor do atleta durante toda a prova, beneficiando o competidor. Como não tem uma norma específica para ventos, a regra determina que a chegada e a largada tenham uma proximidade relativa. Isso serve para que o corredor também enfrente o vento contra na volta do percurso. Em Boston, por exemplo, o vento ficou sempre ficou a favor dos atletas - diz o comentarista de atletismo Lauter Nogueira.

Além de Mutai, o também queniano Moses Mosop, que estreou em maratonas nesta segunda, completou o percurso em 2h03m06s e também superou de longe o recorde mundial de Gebrselassie.

Situação no Brasil

Uma das provas mais famosas do Brasil, a maratona do Rio de Janeiro também não vale recorde mundial, já que a prova não corresponde aos 21km de distância em linha reta entre os dois extremos, lembra Lauter.

- As maratonas de Porto Alegre e Florianópolis estão enquadradas nos critérios da federação. Inclusive, a prova gaúcha é a mais rápida do Brasil e uma das melhores para se bater recordes. Isso porque o percurso é plano, acontece em uma época do ano mais fria e a prova começa cedo, cerca de umas 7h. Com isso, os atletas não se desgastam tanto com o calor.

A maratona de Porto Alegre acontece no dia 22 de maio e passará por monumentos e pontos tradicionais da capital gaúcha. As inscrições podem ser feitas até o próximo dia 5.

veja também