MENU

Depois de confusão, polícia fecha ruas no entorno do Maracanã

Depois de confusão, polícia fecha ruas no entorno do Maracanã

Atualizado: Quarta-feira, 2 Dezembro de 2009 as 12

A confusão no entorno do Maracanã, na Zona Norte do Rio, na manhã desta quarta-feira (2), para a venda de ingressos para o jogo da última rodada do Campeonato Brasileiro, entre o Flamengo e Grêmio, no próximo domingo (6), fez a polícia fechar ruas na região.

A PM interditou a Rua Professor Eurico Rabelo, entre as ruas Isidro de Figueiredo e Professor Manoel de Abreu e outro trecho da própria Manoel de Abreu. Por causa do tumulto, policiais lançaram bombas de efeito moral para tentar organizar as pessoas na fila.

Ingressos esgotados

Os cinco mil ingressos começaram a ser vendidos às 7h desta quarta (2), na bilheteria 8 do Maracanã e se esgotaram em uma hora e meia. Mas a circulação em volta do estádio permanece grande mesmo após o encerramento da venda.

Desde segunda-feira (30), milhares de torcedores estão acampados no entorno do estádio para conseguir as entradas. Cada torcedor só podia comprar dois bilhetes, no máximo.

Na madrugada, PMs já tinham usado bombas de efeito moral. O policiamento ao redor do estádio está a cargo de policiais do 6º BPM (Tijuca) e do Grupamento Especial de Policiamento de Estádios (Gepe). A PM não informou a quantidade de agentes que estão no Maracanã.

O Flamengo tem 64 pontos, dois de vantagem em relação ao Internacional, que vem em segundo, Palmeiras em terceiro e São Paulo em quarto lugar. A equipe rubro-negra precisa apenas de uma vitória simples para conquistar o hexacampeonato do Brasileirão.

Venda foi antecipada  

A venda dos ingressos foi antecipada para as 7h desta quarta porque o Fluminense disputa a final da Sul-Americana no mesmo dia, à noite contra a equipe do LDU do Equador. O intuito era evitar possíveis confusões entre flamenguistas e tricolores.

No jogo do Fluminense, a Guarda Municipal vai atuar com 176 agentes (sendo 33 de trânsito) e promete manter seis agentes acompanhados de pastores alemães do Grupamento de Cães de Guarda (GCG) concentrados em pontos estratégicos de acesso ao estádio.

veja também