MENU

Determinado a jogar fora, Ganso não ouve a opinião de seus familiares

Determinado a jogar fora, Ganso não ouve a opinião de seus familiares

Atualizado: Sexta-feira, 25 Março de 2011 as 10:04

O meia Paulo Henrique Ganso está tão determinado a deixar o Santos que não ouviu sequer a opinião de seus familiares. Os pais do jogador, Júlio e Maria Creuza Lima, presentes à reunião da última terça-feira, em que o jogador reiterou aos dirigentes seu desejo de ir jogar na Europa ainda neste ano, sugeriram ao filho, por diversas vezes, que aceitasse a proposta do Santos. Em vão.

A família de Ganso foi convidada pela diretoria santista a participar da reunião. O presidente do clube, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, acreditava que os pais poderiam fazer o atleta mudar de ideia. Dependesse do jogador, o encontro teria apenas a participação dele, dos dirigentes santistas e dos representantes da DIS, empresa que detém 45% dos seus direitos econômicos, pois as divergências entre seus familiares e membros da DIS são frequentes.

A última oferta santista incluía um reajuste salarial, de R$ 130 mil para R$ 450 mil, mas sem diminuição da multa rescisória, estipulada em € 50 milhões (R$ 117 milhões). O clube já havia tentado comprar, por R$ 7 milhões, os 10% dos direitos que pertencem ao jogador. Tudo isso na condição de que o camisa 10 aceitasse permanecer por mais uma temporada na Vila Belmiro. Os familiares de Ganso consideraram a oferta boa, mas o jogador, não. Craque e DIS querem a diminuição da multa. Nem fazem questão do aumento salarial, deixando clara a vontade de viabilizar uma transferência.

A proposta financeira é alta. Aliás, foi o próprio Ganso quem, há cerca de três meses, colocou à venda sua fatia e determinou o preço. No entanto, agora o jogador já não tem mais interesse em negociar. Ele se sente desrespeitado pelo clube e, por isso, está irredutível. Acredita que um acordo já teria acontecido se ele não tivesse se machucado. A amigos e representantes, reclama que ficou esquecido no departamento médico durante os sete meses que passou se recuperando de uma lesão no joelho esquerdo.

Dirigentes santistas ouvidos pelo Globoesporte.com , por outro lado, afirmam Ganso jamais foi abandonado. Dizem que o clube procurou o meia no período em que ele ficou em tratamento e que só não houve acordo porque ele e DIS sempre tiveram a intenção de diminuir a multa, algo que o clube jamais aceitou. A empresa chegou até a dar por encerrada a negociação no dia 13 de outubro do ano passado, alegando que não concordava com a proposta alvinegra (aumento de salário, manutenção da multa rescisória e divisão dos direitos de imagem do jogador - 70% para ele, 30% para o Santos. Ganso é dono dos 100% de sua imagem e não tem interesse em dividi-la).

Os cartolas santistas reclamam ainda que não esperavam que Ganso fosse dar tanto trabalho. Imaginavam que teriam problemas com Neymar, que, no entanto, aceitou rapidamente o plano de carreira proposto pelo clube no ano passado, recusando proposta do Chelsea. Na ocasião, o camisa 11 dizia que preferia permanecer no Santos por mais tempo, pois não se sentia pronto para o futebol europeu - claro que a promessa de faturar até R$ 500 mil mensais (entre salários e receitas com publicidade) ajudou. Ganso pensa o oposto. Além de estar triste com o clube, acredita que já está preparado para um dar sequência em sua carreira no Velho Mundo. Os constantes telefonemas que troca com Leonardo, técnico do Internazionale de Milão, também ajudam um bocado, a ponto de o jogador recusar o dinheiro que o Santos lhe oferece.

Quando disse não os euros do Chelsea, Neymar argumentou, na entrevista coletiva que concedeu logo após assinar a renovação com o Santos, que dinheiro não comprava felicidade. Ganso pensa o mesmo. Só que, para o meia, a felicidade está na Europa.      

veja também